[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr



Zila Mamede

Menu da Autora:

 

Último texto

Banho (rural)

 Zila Mamede


 De cabaça na mão, céu nos cabelos
à tarde era que a moça desertava
dos arenzés de alcova. Caminhando

um passo brando pelas roças ia
nas vingas nem tocando; reesmagava
na areia os próprios passos, tinha o rio

com margens engolidas por tabocas,
feito mais de abandono que de estrada
e muito mais de estrada que de rio

onde em cacimba e lodo se assentava
água salobre rasa. Salitroso
era o também caminho da cacimba

e mais: o salitroso era deserto.
A moça ali perdia-se, afundava-se
enchendo o vasilhame, aventurava

por longo capinzal, cantarolando:
desfibrava os cabelos, a rodilha
e seus vestidos, presos nos tapumes

velando vales, curvas e ravinas
(a rosa de seu ventre, sóis no busto)
libertas nesse banho vesperal.

Moldava-se em sabão, estremecida,
cada vez que dos ombros escorrendo
o frio d'água era carícia antiga.

Secava-se no vento, recolhia
só noite e essências, mansa carregando-as
na morna geografia de seu corpo.

Depois, voltava lentamente os rastos
em deriva à cacimba, se encontrava
nas águas: infinita, liquefeita.

Então era a moça regressava
tendo nos olhos cânticos e aromas
apreendidos no entardecer rural.


Zila da Costa Mamede nasceu em Nova Palmeira, na Paraíba, no dia 10 de setembro de 1929. Ainda criança, passou a residir no interior do Rio Grande do Norte, onde moravam seus avós. Estudou os primeiros anos em Currais Novos e, mais tarde, em Natal. Entre 1955 e 56, fez o curso de Biblioteconomia, na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, e um curso de especialização nos Estados Unidos.

Ao retornar a Natal, organizou as principais bibliotecas da cidade, como a Biblioteca Central da UFRN (hoje Biblioteca Zila Mamede), e a Biblioteca Estadual Pública "Câmara Cascudo". Em sua produção intelectual encontram-se tanto trabalhos ligados à área da biblioteconomia, como da literatura.

Estreou com o livro Rosa de Pedra, que foi saudado efusivamente pela crítica. E Salinas, o segundo livro, recebeu o prêmio "Vânia Souto Carvalho", de 1958. Depois desse, a autora voltou-se para seu passado de menina sertaneja e as paisagens da infância, e construiu aquele que pode ser considerado seu melhor livro: Arado, publicado em 1959.

Os anos seguintes foram dedicados às pesquisas sobre as obras de Câmara Cascudo e de João Cabral de Melo Neto. Apenas em 1975 retoma à poesia e publica Exercício da palavra, que traz como novidade a temática urbana e a preocupação com estratégias da vanguarda, então utilizadas pela poesia concreta e o poema processo. Em 1978 publicou Navegos, contendo o conjunto de sua poesia conhecida mais um novo livro — Corpo a corpo.

Em 13 de dezembro de 1985, Zila Mamede sentiu-se mal e afogou-se, quando nadava no Rio Potengi, como costumava fazer quase diariamente.

(fonte:www.amulhernaliteratura.ufsc.br).


O poema acima consta do livro “Os cem melhores poemas brasileiros do século”, Editora Objetiva – Rio de Janeiro, 2001, pág. 141, organização de Ítalo Moriconi.

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
® @njo