a

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr


Veronica Otero, acreditem, nasceu em 1984. É carioca e diz que "desde pequena tenho como "hobby" escrever. Nunca participei de nenhum concurso e só amigos próximos conhecem esse meu gosto por ler e escrever." Os amigos do Releituras têm, agora, a oportunidade de conhecer este talento promissor.


Destino: Solidão

Veronica O.
(Veronica Otero)


Outro dia percebi o tempo me atropelar. Não foi como das outras vezes. Eu estava acostumada, o tempo passava e eu já nem sentia mais. Meu coração virou pedra, meus sentidos não sentiam mais e a dor já era tão comum, cotidiana. Mas dessa vez ele me atropelou. E matou.

Matou aquela menina, de quem me despeço agora. Com lágrimas no olhos ela cavou sua própria cova, sabendo que ninguém mais chorará a sua morte. Ela morreu sozinha, e sempre foi assim. Ninguém nunca a conheceu. Só o tempo, sempre seu companheiro, a viu dar seu primeiro passo. E o último.

Sua última luta contra o tempo foi em vão. Assassino. Matou sem dó. Agora não existe mais menina. Existe algo sem nenhuma inocência, sem crença, sem alma, sem medo. Sem prisão. E o pior: sem amor. O tempo não permite amor. Se existe o tempo em primeiro lugar, o amor nunca poderá coexistir com ele. O tic-tac cruel dos minutos passando e sua vida sumindo por entre os dedos é o pior silêncio que se pode escutar. E o amor se foi. Porque o tempo estava ali, aqui, onde? Já se foi...

A menina se foi mas o tempo ainda persiste. É um novo tempo e uma nova existência, que aprendeu tudo o que sabe através da menina. Não acredito que um dia eu consiga amar e derrotar meu inimigo. Tudo é diferente, mas continua igual. O tempo é curto e o destino é certo.

E-Mail: veot@hotmail.com

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
® @njo

a