Toda a vida num único momento

Regina Souza Vieira


Pensar que a felicidade está onde não estamos é dar asas ao inatingível; se há momentos em que rimos e nos sentimos plenos, por que não admitir que a felicidade é possível? Por que essa busca incessante do ad aeternum, se este tempo não foi feito para nós, humanos, e sim para os deuses? Se é tão difícil ser feliz e se é tão bom sê-lo, por que não fingir pelo menos um sorriso. Fingir? Fingir seria certamente uma máscara e esta não condiz com a vivência plena que precisamos ter das coisas.

Ser feliz deve ser um peito aberto, desarmado ante o medo da incongruência ou do inesperado, colocar-se frente à vida sem temer que um soco por trás pegue-nos as costas. Deve-se confiar e rir, achando que o momento seguinte será melhor ainda.

Utopia? Que importam denominações, suposições, possibilidades.... ser feliz deve ser tão bom quanto caminhar na chuva e não se molhar; deve ser tão bom quanto abraçar um amigo, sentindo-o apenas como tal e, às vezes, sentindo no entrelaçar de braços que não se está sozinho, que o pior já passou e, doravante, tudo será carinho.

Ser feliz é não estar cansado, não pensar em se compensar do que quer que seja, porque não há por que ou do que se recompensar. A chuva se chega fria demais, é gostoso, o dia está abrasante; se a comida não é a preferida, tanto melhor, está-se satisfeito ou se quer emagrecer alguns quilos e quanto menos comida, melhor. Se a gente está feliz é porque está e ponto final. Felicidade é algo tão bom, tão bom que significa tanto, que esse tanto significa tudo. Não se é feliz vinte e quatro horas por dia, mas um instante que seja é o bastante.

Pergunte-se, pois, o que é ou onde está a felicidade e se alguém disser: — Comigo! ou Aqui!, este alguém terá chegado ao seu momento epifânico e ainda que, nesse momento cesse o seu respirar, diga-se deste alguém: — Valeu à pena viver!



Regina Souza Vieira, carioca, doutora em letras, professora e tradutora de Francês e Inglês. Premiada em concursos literários, seus trabalhos incluem-se em várias antologias. Tendo dedicado seus estudos e sua paixão literária à obra de Carlos Drummond de Andrade, participou das celebrações do centenário do autor em Itabira. São de sua autoria os seguintes livros: Sentimentogramas - poesia (RJ: Cátedra, 1987); Boitempo: autobiografia e memória em Carlos Drummond de Andrade - ensaio (RJ: Presença, 1992); Revivências - poesia (RJ: Taba Cultural, 1997); Inventivas verossimilhantes - contos (RJ: Papel Virtual, 2000); A prosa à luz da poesia - ensaio (RJ: Edições Galo Branco, 2002); Bernardo, o imprevisível romance (RJ: Edições Galo Branco, 2005); Reflexões em verso- poesia (RJ: Edições Galo Branco, 2007).


[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.