a

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr


Renata Soares  (1977), é mineira de Itanhandu, psicóloga e, segundo afirma, “me arrisco a escrever ‘vezenquando’, mas sou bastante ”tímida" com meus escritos...”, por isso os mantém guardados.


A partida

Renata Soares


Continuou sentada, pernas cruzadas sobre a cama, braços cruzados sobre as pernas, nas costas o gelo da parede anestesiava um pouco a dor. Perplexa, não houve nenhuma reação possível após o anúncio da partida. Partida, inerte, frustrada lembrou-se da efêmera safra de amoras, quanto prazer, quanta cor, quanto sabor. Não que houvesse um grande motivo para que ele ficasse, mas sem prenúncio, ou justificativa, ou mágoa, ou medo, ou motivo, (antes que o dia amanhecesse) ele decidiu ir embora. Ela ficou. Antes de sair ele lhe beijou a testa, completou o leite no pires do gatinho, ele era assim... e agora ia embora. Ainda sobre a cama ela se sentiu cansada, muito cansada, desejou uma árvore carregada de amoras maduras e nada, nada mais. Ouviu a porta se fechar, imaginou se ele olharia para traz, lembrou-se dos olhos, do cheiro, do prazer.

O dia amanheceu, a parede tornou-se aconchegante, os olhos do bichinho tão querido outrora não significavam mais nada agora. O mundo foi-se tornando distante, vazio, imenso, uma semana depois o gato também se foi, não agüentou a inundação de solidão que jorrava dela. Ele ainda tentou, antes de ir miou, aproximou-se, brincou. Ela continuava imóvel, como uma deusa esquecida, em posição de Lótus sobre a cama, olhos vazios.

Os amigos a encontraram no quarto depois de semanas de telefonemas inúteis. Inútil também todas as tentativas de tirá-la daquele estranho torpor, coma, transe ou sabe-se lá o quê. Decidiram então levá-la dali. Não foi fácil transportá-la naquela posição que não se desfazia, tentaram algumas vezes, mas diante da dificuldade cederam e levaram-na como um boneco, uma estranha manequim sofrida. Sua melhor amiga lhe deu a melhor cama, fez a melhor comida, tocou a melhor música, fez o melhor que pôde, até não poder mais.

Em alguns meses aquela presença acabou tornando-se um estorvo, com uma pontinha de culpa colocou a amiga empalhada no jardim, sob algumas árvores. A princípio sentiu um leve mal estar, mas logo entendeu que aquele era mesmo o melhor lugar para sua petrificada amiga. O jardim dinâmico como era, logo absorveu aquela novidade. Ela não ficava tão estranha entre o vento, o orvalho, as larvas, os pássaros e o sol. Passou o tempo, passaram as estações, caíram folhas, as noites gelaram, as flores voltaram e finalmente chegaram as amoras e a cor. Foi num dia de primavera que aconteceu o inesperado, de repente acendeu um brilho nos olhos, era quase imperceptível, mas estava lá. Ela quase já era um vegetal, lodo já esverdeava a pele, os cabelos abrigavam diferentes insetos, as amoras manchavam todo o corpo,os olhos entretanto, agora brilhavam. As árvores estalavam e espalhavam sementes pelo chão, o sol começava a se despedir, o calor diminuía, quando nas costas dela surgiu algo novo, a pele de todo corpo foi-se partindo, quebrando. E sem muita demora ou explicação soltaram-se asas enormes de suas costas, arrancando a capa envelhecida em que a vida se tornara. Libertou-se e como uma estranha fênix renascida das cinzas subiu ao céu, num vôo que mais parecia um mergulho na tarde dourada. E quando a noite chegou, trouxe consigo uma saborosa felicidade e cheiro de amoras.


E-Mail: renata@altanet.com.br

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
® @njo

a