Tango tinto

Ricardo Ruiz


No exílio do quarto escuro,
Tragando spleens  de Baudelaire,
Entre três tangos e dois tintos
Redescubro meu lado impuro,
Amaldiçoado, sórdido, porém — por que não? — distinto!
Ora, sou caído, não minto...
A Decadência, velha rota, sem dentes,
Me diverte, pulando saltos frementes,
Tangueando, bêbada, só e torta...
Cambaleia a doida (coitada...) e ri, indecente...
Maldito sou! (a natureza condena)
Pois bem! Dancemos, bela bêbada velha!
Tornemos mais rota e impura a cena,
Sangremos de tinto a tela imperfeita,
Bailemos, para levarmos à Noite a cor vermelha!


Ricardo Ruiz
é
de 1975 e, segundo nos disse, anda por entre cidades do Rio Grande do Sul. Não tem trabalhos publicados, mas confessa ter dezenas de poemas perdidos ou fugidios.

[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.