[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr


Rogério Ivano nos mandou o que chama de “Curriculum Mortis”: “Nasci em 1971 e vivo em Londrina (PR). Sou formado em História. Juntamente com A. C. Ferreira, escrevi o livro de apoio "A Conquista do Sertão: Os Extremos da Fronteira Sertaneja" (Atual Editora). Pela Editora Aos Quatro Ventos, publiquei a dissertação do mestrado "Crônicas de Fronteira: Imagem e Imaginário de uma Terra Conquistada". Pela Atrito Art Editorial, o livro de minicontos "Os Opostos se Distraem". Com M. Losnak, "Lavrador de Imagens - Uma Biografia de Haruo Ohara", pela Lei de Incentivo à Cultura. Em 2001, tirei o 2º lugar no concurso de contos Paulo Leminski. Mas isso não é tudo.”


Más companhias

Rogério Ivano


Pedro Borges queria ser um mero espectador da vida. Dezenas de vezes teve a oportunidade de deixá-la passar, ilesa, livre, mas não conseguia controlar seus impulsos e sempre acabava por retê-la entre os dedos. No último minuto, quando já era uma sombra ínfima, uma nesga de luz, Borges se agarrava à vida, às vezes com a ponta das unhas, e a trazia para perto de si. Bastava um leve sopro, um tique no canto do olho, uma fagulha ou um odor estranho e lá estava ela, insistente, espezinhante, atenta ao menor rumor da sua existência.

Toda vez que isso acontecia, Borges sentia um remorso, uma coisa ruim, um forte enjôo atacar-lhe as vísceras. Corria então para o banheiro, se desafogava e ficava prostrado à beira da pia por horas, arfante, com os bofes ainda na garganta. Automedicava-se, tomava xaropes, preparava infusões, chás de folhas amargas e raízes secretas. Chegou mesmo a recorrer de antigas simpatias, mas sem sucesso. Com isso, rejeitou também as rezas e os conselhos dos mais velhos.

O estado de Borges piorava. Sua reclusão aumentou, tornou-se mais taciturno, nunca mais o viram no mercado nem na praça, onde costumava passar rapidamente entre os transeuntes, feito um fantasma. Evitava ser reconhecido, mudava o lado da rua para fugir de um bom-dia, uma piscadela, um esbarrão. Tinha as janelas da casa muito cerradas, os portões fechados com grossa corrente, o mato a tomar conta do quintal, exalando um ar propositado de ausência e abandono.

Era uma quinta-feira ao fim da tarde, Borges caçava uma irritante penumbra que se esgueirava pela sala quando escutou o trinco da porta girar, astuta e sorrateiramente. Logo adivinhou quem era. Aos berros, maldisse, xingou, pediu aos prantos que o deixasse sozinho, que não o procurasse mais. Mau abriu uma fresta, porém, lá estava a vida lhe sorrindo. Borges não se conteve, puxou-a bruscamente para dentro.

Todo o quarteirão veio saber do escândalo, ouviram móveis sendo quebrados, vidros estilhaçados, tapas e gemidos. Foi tamanho o qüiproquó que falaram até em encenação.


E-Mail: hiwano@sercomtel.com.br

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][Novos escritores]

© Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
® @njo