A lista de uma balzaquiana

Layza Portes


Pegou papel, caneta e listou. Base, sombra, rímel, delineador, blush e batom. O vermelho para valorizar um dos traços que mais chamava a atenção. Sais, esfoliantes, creme anti-celulite, óleo para o corpo, perfume francês e óleo de silicone para os cabelos. O importado, não queria ver um só fio em pé. Massagem, limpeza de pele, peeling, banho de lua, manicure, pédicure e depilação. Para ficar com a pele lisinha. Sapato salto agulha, calça preta, blusa decotada e saia. Justa e curta, tinha que ousar mais. Academia, dança de salão, caminhadas no parque, triatlon, check-up com um clínico geral e sutiã meia-taça. Afinal, passara dos 30. Yoga, relaxamento, budismo, livros de auto-ajuda e terapia. O auto-conhecimento era a sua meta. Camões, Vinicius, Chico, Bocage e Kamasutra. O romantismo e a sexualidade também tinham que fazer parte do enredo. Djavan, Fred Mercury, Bob Marley e Elis. Um pouco de música para a alma. Aulas de Italiano, Francês, Alemão, palestras, workshops e cursos de especialização. Para se intelectualizar ainda mais. Auto-estima, espontaneidade, otimismo, sorriso nos lábios e bom humor. Ia parecer mais leve. Respeito, fidelidade, carinho e paciência. Fundamental na vida a dois. Shoppings, centros culturais, exposições, barzinhos da moda, churrascos, casas noturnas, viagens à praia, ao campo e quaisquer outros pontos de encontro. Lugares estratégicos para não faltar oportunidades. Encontros virtuais, disque-amizade, agência de encontros e rede de amigos. Talvez algum possa ajudar. Catolicismo, protestantismo, espiritismo e umbanda. Sua fé não tinha limites. A lista era vasta. Certos itens já tinha e os sabia explorar como um mestre com total domínio de sua arte e conhecimento. Alguns eram o mero sacrifício latente, mas não valia a pena admitir e desistir. A cada dia, a cada item que cumpria e repetia, era o degrau mais próximo da felicidade. Pensava. Não tinha medo. Era o objetivo mais obsedante que havia tido até então. Podia demorar. Ia acontecer. Cansara de ficar sozinha. Do trabalho para casa, da casa para sabe lá onde tamanha infelicidade lhe levava. Até o fim do ano sonhava. Prometeu. Iria à luta. Tudo estava listado. Tudo que achava necessário. Daquele ano não passava. Balzaquiana? Sim. E queria um marido encontrar.


Layza Portes (1982), mora em Campinas (SP). Jornalista, blogueira, afirma que seu gosto pela escrita surgiu com seus “Diários”, quando ainda era criança. Já foi premiada em concurso literário (categoria Contos), quando da realização da I Mostra Literária da PUC – Campinas, em 2002.

[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.