a

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr


Fabrina Martinez (1978) é jornalista graduada pela Universidade de Marília (SP). Tem seus trabalhos publicados em diversos sítios na internet.


poderosissimo@ceu.com
Do you have problems? e-mail us!


Fabrina Martinez


Nunca acreditei (muito) na idéia de Deus, principalmente porque todo mundo que realmente existe e é importante dá entrevista coletiva ou aparece no Jô. E essa história de "O Senhor proverá" sempre foi uma justificativa maravilhosa para o impasse entre capitalismo, consumismo e o ócio. Mas filosofia de congestionamento leva à depressão que é fortemente agravada pelo sol, tédio e dor nas costas.

A verdade é que esses fatos são sempre bem menos relativos do que é possível imaginar, e questionar deus (ou Deus, quem é que sabe?) sempre pareceu um ato extravagante. Enfim, é um dia quente, o trânsito está horrível e a possibilidade de morrer desidratada é enorme. Uma extrema unção seria útil. Pego o celular wap e procuro um acesso rápido a Deus (este mesmo: senhorialmente maiúsculo), um canal que ofereça milagres, confissão e penitência por e-mail. Confortável e conveniente.

Faço como sempre fiz mas, para minha surpresa, o caminho normal havia sido alterado e em vez do botão de envia, a única coisa na tela do celular era o esboço de um rosto e os comandos haviam sido trocadas por uma voz grossa e rouca, altamente sensual.

Confesso que fiquei excitada — pela situação e pela voz. O que estava sentindo era quase um orgasmo e controlar os gemidos era doloroso, mas a situação (o orgasmo) foi amenizando e tudo o que restou foi um formigamento e as palavras de um senhor me explicando a situação: optou por não dar entrevistas coletivas, mas estava no meu wap e responderia o que eu quisesse. Em off, claro!

Perguntei sobre ele, sua aparência, o apocalipse, Jesus Cristo, a virgindade de Maria, Maria Madalena — que ele descreveu como uma "morena estonteante e capaz de desviar o caminho de qualquer Messias". Depois me contou impropriedades sobre Sodoma e Gomorra. Basicamente foram queimadas por estarem se tornando pontos turísticos. Falou sobre os castigos, a Santa Ceia, o Espírito Santo e do estranho hábito de São Paulo: consumir um cigarrinho antes dos sermões que, além de interessantes, eram animadíssimos.

Conversamos horas e o calor até passou. Falamos de compromissos, entregas, evangélicos, guerras santas, crianças, camelos, Lázaro e Noé — que era pansexual. Ele evitava rir talvez para que eu também não o fizesse.

Disse ainda que roncava, gostava de jogar paciência spider, ver os transes em festas techno e, principalmente das páginas de caráter religioso na web. Confesso que me assustei com essa última afirmação, mas contou com um certo prazer o quanto era divertido assistir alguém brincando de ser Ele. Ah! E que na altura de sua experiência, ver aquela impropriedade era como um filme de Almodovar (que ele adora). Advertiu que não gosta de cinema americano; prefere os filmecos da década de 20 e freqüentemente volta lá para assistir as filmagens.

Durante nossa conversa percebi que Deus era um pouco como eu, ou melhor, eu era como ele. E notei com uma certa angústia que ser educada por uma família católica não era uma grande vantagem, mas viver num mundo religiosamente ateu me deu certos anticorpos para perceber que uma parte ínfima de Deus era eu. E que nas minhas milhares de horas de vida podia ter me dedicado mais a nós.

Sobre a sua onipresença disse apenas que tinha um equipamento muito avançado. E com a minha fé amadora aprendi mais sobre Deus num wap do que em anos de catecismo. E quando criança rezava para que ninguém aparecesse para mim. Não suportaria a situação. Mas gosto muito dos santos e me restava saber se havia alguém que gostava de mim muito embora tenha dado as costas para Iemanjá, mesmo vestindo calças bem apertadas para ter certeza de que ocupava um espaço no mundo.

Então o pior aconteceu; o trânsito andou e Deus foi embora. Mas antes disse que o fim do mundo estaria próximo e seria anunciado por uma hecatombe. Por via das dúvidas, larguei a faculdade e o emprego e abri minha web-seita. Íamos bem, mas estamos com problemas seriíssimos de direitos autorais. Recentemente Bill Gates patenteou os números 1 e 0 e fica difícil realizar qualquer coisa com ou sem eles. Na dúvida patenteei do 2 ao 9. Ganho menos dinheiro, mas rende bem.

Ainda assim estou decepcionada com a falta de coragem suicida da minha fé e não consigo fazer música com o som do teclado e, tampouco me emocionar com as minhas missas virtuais. E que tipo de mártir eu esperava ser nascendo no século XX? Fax, videocassete, pager, telefone, televisão, internet, rádio — analógico ou digital —, não importam. Se no princípio era verbo agora tudo é gerúndio. O máximo seria uma versão informatizada de Santo Agostinho. Prometo, assim que os meus anunciantes me deixarem, virar sanduíche de informação na Praça da Sé. E com uma ótima trilha sonora. Nada de padres mas cantos gregorianos. Mais que isso, juro aprender que a liberdade não se resume a uma estátua da ilha de Manhattan.

Já resolvi que não importa o verbo. Vou é viver de metáforas e com a renda dos números. É lógico e lúdico. Na internet o que não é?


E-mail: fabri_na@yahoo.com.br

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
® @njo

a