Era um piso de algodão

Eva Ibrahim Ferreira de Sousa



Ainda estava escuro quando o táxi adentrou o pátio do Aeroporto de Viracopos em Campinas, São Paulo; levava apenas uma passageira no banco de trás. Rapidamente o veículo parou junto á guia da plataforma de embarque e a moça abriu a porta, era Veridiana, uma bela mulher de quarenta anos. Estava ansiosa, mal dormira á noite, iria voar pela primeira vez. Tremia só em pensar. — Será que o medo a impediria de subir no avião? O que a trouxera até ali foi o amor que sentia por Samuel, ele a esperava no fim da linha; tinha que ir ou ele pensaria que ela desistira de tudo.

Nos últimos dez anos a mulher se dedicara ao trabalho e á criação do casal de gêmeos, que agora eram adolescentes. Artur, seu marido, a abandonara para tentar a sorte no Tio Sam e raramente mandava notícias. Era uma mulher divorciada, solitária e conformada. Mas, um dia conheceu Samuel, ele foi ao escritório em que ela trabalhava e seus olhares cruzaram de um jeito especial; foi amor a primeira vista. Ele voltou outras vezes, até se declarar. A vida parecia mais bonita e tudo mudou para ela, queria ser feliz.

Desde aquele dia, Veridiana percebeu sua carência por um afeto masculino; estava apaixonada novamente. Ele era gerente de um Banco muito conhecido e depois de alguns meses o rapaz foi transferido para Juiz de Fora; ficou nervoso, queria levar a namorada com ele. Samuel mudou-se há um mês e a convidou para conhecer seu novo apartamento, onde ele queria que ela fosse morar. Também era separado e faria tudo para não sofrer novamente. A moça planejava ficar com ele e os filhos, que estavam com a avó; precisava agir com calma.

Seiscentos quilômetros os separavam e o jeito mais rápido de encontrar seu amor era o avião, por isso estava ali, no aeroporto de Viracopos. Na verdade estava com muito medo, mas, decidida a ir em frente. Seu vôo teria duas conexões, era o único que iria até seu destino, a cidade mineira.

Passou pelo chek in e sua bagagem foi levada pela esteira, agora não poderia desistir. Adentrou á sala de espera e viu muita gente esperando a chamada para o embarque. No salão bem iluminado estavam homens, mulheres, crianças, jovens e velhos de diversos lugares e raças diferentes; todos atentos e agindo naturalmente. Veridiana procurou um lugar perto de duas mulheres que conversavam banalidades sobre crianças e seu coração foi se acalmando. A moça sentou-se e fez uma oração aos anjos prometendo a si mesma que faria uma viagem feliz.

Alguns aviões subiram e quando chamaram seu vôo ela deu um salto e seguiu os passageiros que se dirigiam ao micro ônibus que estacionara em frente á saída. Entrou e ficou entre aquelas pessoas se deixando levar. Uma aeromoça sorridente a cumprimentou indicando o caminho. Ao seu lado sentou um Japonês com cara de poucos amigos; certamente voariam calados, pensou a mulher.

O avião parecia um peixe, comprido e fino; estava lotado. Eram duas aeromoças muito bonitas; a comissária deu as boas vindas aos passageiros que estavam á bordo da aeronave. Veridiana pensou que não queria ser mãe de aeromoça ou mulher de piloto, pois, certamente viveria aflita e com o coração nas mãos.

A mulher ouvia as instruções que o comandante dava pelo microfone antes de levantar vôo, mas, lá no fundo estava decepcionada. Pensava que avião era um lugar luxuoso, para gente “chik” e artistas de cinema. Aquele parecia um ônibus comum, com gente comum se preparando para voar; era tudo muito apertado. — Onde estaria a magia e o encantamento que sempre imaginou? — A aviação perdeu o glamour de Hollywood e passou a ser transporte do povão. A mulher tirava suas conclusões quando o comandante avisou que iriam decolar.

A aeronave começou a andar lenta, seguia devagar e de repente, vum, subiu rapidamente. Parecia um coletivo interestadual voando, Veridiana esticou o pescoço para olhar as construções diminuírem de tamanho até desaparecer. Sentiu um frio na espinha, era assustador. O japonês recostou na janela impedindo a visão da mulher e logo vieram as aeromoças com os comes e bebes para distrair os ocupantes do aerobus. Mal acabaram de comer e o comandante avisava da chegada á Curitiba.

O tempo estava nublado e a temperatura três graus a menos que Campinas; foram levados ao aeroporto. Depois de uma hora fizeram a chamada para o embarque em outro avião, que os levaria ao Rio de Janeiro. A mulher estava surpresa por não sentir medo, a situação parecia natural; vivia um sonho estranho e real.

O avião era maior e não poderia ser comparado á um peixe como o primeiro, era mais espaçoso, parecia um ônibus de turismo ou um Tubarão jovem. O comandante avisou que estavam atrasados e por isso voaria em uma velocidade maior. Rapidamente chegaram á região de Angra dos Reis e foram orientados á olhar para ver suas belezas naturais. Havia um barulho nos ouvidos da moça, que os cobriu com as mãos; o japonês quebrou o silêncio dizendo que era a velocidade e altitude que provocavam aquela sensação de subida de Serra. Chegaram ao Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, num vôo perfeito.

Veridiana pensava na situação que se encontrava, passageira de primeira viagem, e chegou á conclusão de que voar é rápido e perigoso, pois aquilo parecia uma panela de pressão. Ali estavam os passageiros e Deus, nada mais importava, não havia saída. Mas, tinha que admitir ser muito bom ser conduzida ás alturas, como os pássaros, planando no ar.

Lembrou da Guerra nas Estrelas, filme que seus pais assistiam quando era pequena. Rapidamente foram orientados á subir em uma Perua e seguir até o outro avião que já estava esperando os passageiros. Veridiana apenas seguia e obedecia aos comandos, parecia um robô, mas quando olhou pela janela do pequeno avião, este era o menor de todos, viu que uma turbina estava preta e comentou com o vizinho de banco, agora um jovem cabeludo. — Parece que já pegou fogo. O rapaz fez que sim com a cabeça e enfrentaram outra subida.

O vôo fora estimado em trinta minutos e ficaram admirando a paisagem do Grande Rio; lugares lindos, belezas naturais a encher os olhos. Enquanto eram servidos os lanches foram para cima das nuvens. A moça olhou pela janela e viu um grande piso de algodão branquinho e fofo; havia muita paz e tranqüilidade na paisagem. — Só pode ser Deus aqui presente, pensou a mulher. Naquele momento ela sentiu que a vida é concessão divina e a fragilidade humana não é compatível com a soberba e arrogância dos terrestres. Uma energia superior pairava naquela imensidão de algodão e os passageiros do aerobus apenas observavam calados. Coisas de Deus estavam naquela paisagem linda, inclusive a permissão para seres humanos contemplar aquilo tudo. Veridiana ficara inerte e embevecida com aquele momento mágico, devia isto á Samuel, pois, foi seu amor que a fez subir na aeronave.

Estava viva e feliz voando por esse mundão azul; a violência está em terra, no alto reina a paz e o silêncio; Veridiana parecia hipnotizada. Voltou a si com a turbulência que ocorreu quando a aeronave baixou das nuvens. Foi anunciada a chegada á Juiz de Fora e a moça agradeceu aos anjos aquela oportunidade. Seu coração disparou e a ansiedade aumentou, iria reencontrar Samuel, o homem de sua vida. O avião pousou e quando ela desceu, ele estava acenando na porta de acesso do desembarque. A distância era pequena e Veridiana caiu nos braços do seu amor com muitos beijos e abraços. Seguiram abraçados e ela disse ter feito uma boa viagem, mas, o que ele não sabia é que agora ela era uma nova mulher; mais espiritualizada.

Uma pessoa mais ciente da presença de Deus e da magia que envolve a vida. Aquele foi um vôo para descobertas interiores que mudaram sua maneira de pensar, porém, naquele momento ela trazia o coração transbordando de amor e só queria ser feliz.

Depois pensaria com calma naquela visão do paraíso. Uma coisa ficou definida, toda vez que alguém falasse a palavra Céu ela pensaria naquele piso de algodão tendo a certeza que Deus existe e reina sobre tudo, com muito amor.

[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.