Dono de quem?

Cassio Grinberg


O cão, que pensava ser dono de seu dono, que o via correr ao menor ganido (e afagá-lo a qualquer momento), teve, naquela tarde, uma surpresa: constatou, da maneira mais patética que um cão poderia fazê-lo, sofrendo como o cão mais desgraçado da quadra sofreria ante àquilo, que era preterido em função de uma garota. E não adiantaram apelos chantagistas, olhares tristes ou abanar de rabos, pois o olhar que o rapaz propôs à garota que entrava em seu quarto dizia tudo. O olhar tinha cheiro de paixão, e o cão bem sabia distinguir os cheiros. E havia o aroma que brotava daquele pescoço, um pescoço liso como a pele de uma relva, interrompido por uma fina corrente que mal separava a relva do início do rosto, da tez que era bronzeada mesmo no inverno mais rude, mesmo no vento mais cortante que arrancava folhas das árvores de nossa cidade. Naquela tarde, o cão soube quem era dono de quem, e então não teve escolha: aceitou a porta fechada em sua cara, desceu as escadas pata por pata, saiu ao pátio e ao vento nos pêlos, e se pôs a roer, velho e gasto, o osso.



Cassio Grinberg
(1972) nasceu em Porto Alegre (RS). Cursou oficinas literárias do escritor Charles Kiefer, da Casa de Cultura Mário Quintana e do escritor Luis Antônio de Assis Brasil, todas na capital gaúcha. Publicou as novelas "A escultura e o sofá" (Ed. Artes e Ofícios - 2005) com orelha escrita pelo acadêmico Moacyr Scliar e "Ela em mim" (Ed. IEL - 2006), e o romance "Concerto para guitarra ao mar" (Ed. Sulina - 2008). Escreve resenhas literárias para jornais da comunidade judaica em Porto Alegre.

[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.