Pela última vez

Camilla Felicori



Vestiu-se com o vestido branco cuidadosamente bordado de pedras pela avó.

No espelho, não viu uma moça bonita de vestido, mas um transbordar de mágoas e desatinos. Sentou-se sobre a renda turca sem tirar os olhos do espelho:definitivamente não era bela. No braço, uma marca de ansiedade pretérita e definida. No dedão direito, o calo do sapato bonito desconfortável de Gilberto. Sapato azul de laço branco. Gilberto, Sara e os sapatos lilazes dela. No ventre, a mágoa de uma criança perdida entre anseios. Sentiu frio. A criança que jamais carregaria chamaria Estrela. A lenda dizia dos heróis que morriam e viravam estrela. Eram heróis ou invenção de sua mente? Desimportante. Chamaria Estrela e teria outros calos, mas usaria o mesmo vestido branco e sapatos de fita amarela. Na Colina, o deixaram fechado, anil com uma fita lilás amarrando a coroa de flores. E o que será do mundo se os inocentes morrem antes? Alguém disse. Melhor o silêncio, ela pensava.

Silêncio.

Aquiles chegou devagar e viu a mãe tentar rasgar o vestido que segurava na altura do ventre. A ternura do menino e a mudança do olhar: uma mulher e seu filho.


Camilla Felicori
(1984) é formada em Filosofia e publica na colunas "Amimurgaletra", do site http://www.pilulapop.com.br e "Historietas" do site http://laboratoriopop.com.br/.


[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.