A uma cadeira

Bruno Ramalho


Em conversa com a solidão,
por acidente de um fim de tarde,
descobri que meu corpo arde
de poesia sem explicação.

Decerto, outrora me acharia louco,
mas agora um bobo sem inspiração,
dedicando a ela todo o coração,
o que, um dia, a outrem dediquei tão pouco.

Assim, pela arte que em mim não morre,
e sobrevive, sim, à linha mais torta,
fiz estes versos a uma cadeira,
que, por acaso, segurava a porta.


Bruno Ramalho
de Carvalho nasceu em 1978. Publicou seu primeiro livro de poesias em 1999 — "A primeira coisa que se faz" (ed. do autor), e programa para breve o lançamento do próximo rebento, "do amor deveras e das quimeras". É médico ginecologista e obstetra e atua na área de reprodução assistida.

[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.