[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr



Marcelo Coelho

Último texto

A inconsciência dos corpos à beira-mar

Marcelo Coelho


Sempre fui, sempre me considerei um gordo. A frase é — hum— pesada demais. Chamar alguém de gordo é dos piores xingamentos que conheço e, no meu caso, posso mesmo assegurar que se trata de injustiça. Há tempos, fiz um regime bem-sucedido; observadores objetivos dirão que hoje pertenço, sem dúvida, ao time dos magros.

Mas sentir-se gordo — a culpa na balança, a desestima diante do espelho, a lembrança do peso perdido —, isso continua. Tudo se torna mais difícil no verão, é claro. A praia humilha demais os que têm barriga.

Ou melhor: o espantoso é que ninguém (exceto nós mesmos) está nem aí para o problema. Foi grande a minha surpresa, numa das primeiras vezes que fui ao Rio, encontrar na praia gente feia de todo tipo — e não a desdenhosa população de modelos e atletas que a fama da cidade fazia prever.

Passei uns dias no litoral paulista, num lugar que não é dos piores. Fiquei impressionado (e contente, admito) com a sem-cerimônia dos que são muito, mas muito mais gordos do que eu.

Um tipo clássico, instituído há décadas nas praias brasileiras, é o da mulher muito gorda que usa maiô inteiriço preto. O maiô molhado adquire o brilho daquelas câmaras de pneu de caminhão, por sua vez também clássicas nas represas, pesqueiros, rios e cascatas de nosso país. Por algum motivo, a mulher corre rumo ao mar. Ela é muito branca; deve ser o calor. A corrida é dificultada pelas suas próprias pernas, cujo movimento obedece a eixos de rotação opostos; ela parece que vai cair. E de fato cai ao choque da primeira onda: entrou na água com êxito.

Pois bem, a gorda do maiô inteiriço preto hoje usa biquíni — também preto, é claro. E não há motivo para que não use.

Ela não é mais estranha, afinal, do que sua contrapartida masculina, conhecidíssima de Cabrália até Cananéia pelo menos: o homem grávido. Esse não entra na água. Caminha paralelo ao mar, de perfil; está sempre de perfil, aliás. As pernas finas, o rosto magro, os braços longos, tudo destaca a barriga de vários meses, que ele porta sem orgulho, mas também sem embaraço.

Bem diferente é o tipo do ex-magro. Trata-se de figura mais recente; pelo jeito de vestir, diríamos que remonta no máximo aos tempos do governo Figueiredo. Usa sunga e tênis com meia branca. É um sujeito muito esportivo, faz cooper o tempo todo, tem porte de atleta, mas, de algum modo, foi acrescido de 20 ou 30 quilos, que, contudo, não lhe pesam. Tem preparo físico justamente para carregá-los, e disso se envaidece.

Versão anterior dessa personagem é muito comum, creio, nas praias do Rio: falo de um tipo de militar aposentado, craque furioso da peteca, um tanto calvo, que talvez fosse mais gordo se não estivesse seriamente desidratado. Sua pele, com efeito, adquiriu um aspecto que não é do bronze, mas do couro curtido, do qual brotam tufos de pêlo branco.

Corpos, corpos, quantos corpos na praia, Deus meu! Costas cobertas de pêlos, de espinhas, de protetor solar... Colunas vertebrais, como pipas, inclinadas nos mais diversos ângulos. Há pescoços que se perderam nos entroncamentos da Piaçaguera ou da rodovia Pedro Taques; rolaram pelo acostamento e seus donos, já na praia, não perceberam ainda a dimensão do acidente.

Mulheres inteiras parecem se desfazer como castelos de areia no contato com o mar; há cabeças que sobrevivem a uma espécie de erupção vulcânica, boiando sobre lavas de carne; aqui e ali, passam homens como palafitas, que mal se equilibram sobre as canelas vergadas ao peso do conjunto.

E ninguém está ligando a mínima. Não digo que haja bem-estar, um cego contentamento com o próprio físico, mas o que se nota em quase todo mundo, na praia, é uma forma fundamental de inconsciência: aquela inconsciência que deriva do simples fato de existir.

Gordo ou magro, velho ou jovem, o sujeito está ali, ao sol. Considerá-lo "exposto" ao olhar alheio já é, de certo modo, um abuso, um atentado à privacidade. Quem está na praia não se sente o tempo todo sob a avaliação crítica de seus dessemelhantes. É fator de sobrevivência psicológica, sem dúvida, o dom que todos temos de nos esquecer de como somos.

Mas deve haver algo de errado numa população que corresponde tão mal a seus próprios padrões de beleza física. Passamos o dia vendo mulheres lindíssimas e homens perfeitos nas revistas, nos outdoors e na TV. Há academias e regimes por toda parte. A inconsciência de todos os corpos na praia logo se interrompe em vergonha, resoluções de Ano Novo, esforços de pedestrianismo ou algum momentâneo impulso de correr -sim, talvez a isso estivesse entregue a gorda do maiô preto lá em cima.

Na praia é que vemos, na verdade, a enorme desadaptação da maioria da classe média, ou seja lá que nome tenha, à vida ao ar livre. Só os muito jovens ainda não sofreram alguma das deformações causadas pelo cotidiano. São tanto as deformações do trabalho -computador, telefone, escritório, carro — como as do ócio — comida, bebida, TV, por exemplo.

Não vou defender nenhum tipo de "volta à natureza", mas não deixa de ser irônico que tenhamos tantas invenções destinadas a poupar trabalho e energia, de um lado, e tantos recursos para evitar a subnutrição e o tédio alimentar, de outro, e que isso termine sendo fonte de descontentamento na grande maioria da classe média.

Infelizes com seus corpos, as pessoas depositam suas esperanças — sem muita persistência, é verdade — na adesão aos rigores do trabalho braçal e da fome. Claro que o nome é diferente: busca-se o trabalho braçal nas academias de luxo e a fome nos livros de regime para gourmets. Classe é classe. Perder peso, com sorte, até que dá; mas daí a perder posição social é outra história.


Marcelo Coelho (1959) é paulista e formou-se em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo. Trabalhou por alguns anos como professor universitário antes de dedicar-se à atividade jornalística na “Folha de S. Paulo”. Iniciou sua trajetória no jornal como editorialista e participou do grande projeto de reforma do jornal em 1984 liderado por Otavio Frias Filho. Foi coordenador de editoriais e a partir de 1990 começou a assinar uma coluna semanal no caderno “Ilustrada”. Publicou os romances Noturno (1992) e Jantando com Melvin (1998), traduziu obras de Voltaire e Paul Valéry, entre outros, e escreveu livros infantis. Seleções de textos publicados na Folha de S. Paulo estão reunidos em dois volumes, Gosto se Discute (1995) e Trivial Variado (1998). Desde 1994 leciona jornalismo cultural nas Faculdades Cásper Líbero, em São Paulo. Marcelo Coelho criou uma modalidade particular de crônica, que combina o ensaio acadêmico, o resenhismo dos cadernos culturais e o comentário do detalhe cotidiano e discute aspectos sociológicos, antropológicos e estéticos do impacto dos produtos culturais na vida contemporânea. O texto acima foi publicado no jornal “Folha de São Paulo”, São Paulo, edição de 15/01/2003.

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
® @njo