Ida a Tupã

Mauro Rasi


Quando vamos passar o fim de semana em Tupã, distante uns 200 e poucos quilômetros de Bauru, todo mundo ia pra cama logo após o jantar, pra acordar cedinho. Mal conseguia dormir de excitação. Íamos ver tio Walter e tia Conceição e meus primos Neusa, Cidinha e Zé Roberto. Querem mais?
 
 Às seis da manhã já estávamos na estrada. Papai pilotava o Gordini e mamãe puxava o coro, animadíssima.
 
 — "Adeus Sarita;vou partir para a fronteira..."
 
 Sua disposição era impressionante: As seis da manhã já estava com a corda toda, E, me vendo sonolento, pois não havia dormido direito de tanta excitação, ordenava:
 
 — “Canta, menino!"
 
 Eu, praticamente dormindo, completava, de mau humor:
 
 — "Vou levar minha boiada para vender lá na feira.
 
  Mamãe via um eucalipto na estrada e gritava:
 
 — "Respira fundo, enche o pulmão."
 
 Enchíamos o pulmão. Ela insistia:
 
 — "Prende a respiração. Prende."
 
 E não deixava a peteca cair. Quando ameaçava cair ela logo puxava "Ronda", de Paulo Vanzolini, que instantaneamente virava um sambinha animado:
 
 — "Se hoje eu rondo a cidade a te procurar, sem te encontrar,lálárirá...'
 
 Cantava tudo com alegria. Até "Assum Preto" tornava-se de uma alegria contagiante:
 
 — "Furaram os óio, do assum preto, pra ele assim cantá mior..."
 
 Na sua interpretação o pobre pássaro ficava cego, mas feliz. Mamãe não admitia infelicidade. Maysa em sua boca virava uma Ivete Sangalo. Seu "Meu Mundo Caiu" era visto com otimismo. Quem a ouvisse pensaria que o mundo havia desabado de felicidade.
 
 Perto de Marília, ou seja, na metade do caminho, era hora de cantar o hit de Nora Ney, "Ninguém me ama, ninguém me quer". Com alegria; se é que isso é possível. Parecia que era tudo de mentirinha:
 
 — "Fui como resto de bebida que você jogou fora..." Mamãe não sentia nada do que cantava; era tudo  da boca pra fora. Como em "Lama", do Lupicínio:
 
 — "Se meu passado foi lama, hoje quem me difama viveu na lama também...". Não havia rancor nem amargura. Era uma lama "limpa, uma lama do bem. Quando cantarolava "a vergonha é a herança maior que meu pai me deixou" parecia até que o pai havia deixado um seguro de uns US$ 1 milhão e não algo de que se pudesse envergonhar.
 
 Seu repertório era praticamente de fossa, que ela metamorfoseava. As músicas entravam lagartas e saíam borboletas. Ela sempre via o lado positivo das coisas. Depressão lá em casa não se criava, era sinônimo de chilique ou faniquito. Tudo se curava com um bom banho frio. E, se a depressão persistisse, vinha a ameaça:
 
 — Dá uma enxada pra ele capinar o quintal que eu quero ver se esse fricote não passa...
 
 Mas às vezes acontecia uma tragédia, como sábado passado. Papai foi matar formigas. Da última vez tinha usado querosene e quase pôs fogo na casa. Dessa vez usou formicida. Formicida Tatu. Só de ver aquela caveirinha entre duas tíbias estampada na latinha já suava frio. A latinha ficava guardada na última prateleira do armário do quintal, num lugar quase inacessível. Mas eu achava que um dia não iria me conter e acabaria abrindo a lata e experimentando um pouquinho. Deve ter sido porque o primeiro morto que eu vi (devia ter uns cinco anos) estava caído, descalço e sem camisa, no portão do E.C. Noroeste. Ao lado do corpo havia uma garrafa de Coca-Cola e a fatídica latinha.
 
 Para encurtar a história, papai espalhou formicida pela casa, mas esqueceu de avisar o Bolinha, nosso cãozinho vira-lata, que foi lá e lambeu. E morreu.
 
 Por isso estávamos indo para Tupã, para esquecer. Nessa época meu universo ia de Bauru a Tupã. Eu me perguntava: "O que será que tem depois de Tupã?". Mas no íntimo eu já sabia a resposta. Depois de Tupã começava a fantasia.


Mauro Rasi, (1949/2003), nasceu em Bauru, no interior de São Paulo e se tornou num dos mais atuantes autores das teatrais das décadas de 80 e 90, com mais de 20 peças escritas. Mauro — que também era colunista do jornal O GLOBO, foi um dos criadores do gênero de humor "besteirol".

Desde cedo, o dramaturgo sempre se dividiu entre a música e o teatro. Chegou a freqüentar aulas no Conservatório de Paris e a se formar em piano. Mas o teatro falou mais alto. Mauro começou cedo: aos 13 anos, participou de um concurso de teatro com a peça "Duelo do caos morto" , que foi assistida por Antônio Abujamra, que o incentivou a escrever. Mas foi no Rio que fez carreira. Entre suas peças estão "A cerimônia do adeus", "A estrela do lar", "Viagem a Forly", "Ladies na madrugada" , "O baile de máscaras", "O crime do doutor Alvarenga", "Pérola" ,"A dama do c

errado" e "Alta sociedade". Quando de seu falecimento, aos 22 de abril de 2003, sua peça "Batalha de arroz num ringue para dois" estava sendo encenada pelos atores Cláudia Jimenez e Miguel Falabella, no Rio de Janeiro.Na TV, escreveu para programas como "Armação Ilimitada" e "TV Pirata".

Rasi era um dramaturgo popular e também fazia sucesso com a crítica: foram ao todo 11 prêmios no teatro. E somente "Pérola", um de seus maiores sucessos, foi assistida por 300 mil espectadores. Em 1996, com "A dama do cerrado" e "As tias do Mauro Rasi" simultaneamente em cartaz, Rasi foi acusado pelos críticos de estar comprometendo seu talento para atingir um público maior. Não se importou com esses comentários e prosseguiu escrevendo e fazendo grande sucesso em todos os palcos onde suas peças eram encenadas.

Bibliografia:

- A Alegria, antologia de 12 textos, com o conto acima - Publifolhas

-
Pérola - Ed. Record

- Trilogia (com A estrela do lar, A cerimônia do adeus e Viagem a Forli) - Editora Relume-Dumará.

Peças teatrais:

- A massagem (1972)
- Ladies da madrugada (1974)
- Batalha de arroz num ringue para dois (1984)
- A cerimônia do adeus (1987)
- A estrela do lar (1989)
- Baile de máscaras (1991)
- Viagem a Forli (1993)
-
Pérola (1995)
- As tias do Mauro Rasi (1996)
- A dama do cerrado (1996)
- O crime do dr. Alvarenga (1999)
- Alta sociedade (2001)

Televisão:

- Armação ilimitada (redator)
- TV Pirata (redator)


Texto extraído do caderno “Mais” da Folha de São Paulo, outubro de 2002.

[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.