Mas será o Benedito?

Mario Prata


Mario Prata
, mineiro de Uberaba, tem um vasto currículo: como jornalista esteve no Pasquim; Folha de São Paulo; Estadão; Status; Careta; no teatro com as peças Bésame Mucho; Cordão Umbilical; Fábrica de Chocolate; na televisão com Estúpido Cupido; Helena; Dinheiro Vivo; na literatura com os livros O homem que soltava pum; O morto que morreu de rir; Schifaizfavoire - Dicionário de Português; Filho é bom, mas dura muito; Mas será o Benedito?, Diário de um magro e Minhas vidas passadas (A limpo) e outros. Tem também participações em cinema e vídeo, tanto aqui como no exterior.

Hoje selecionei algumas pérolas de "Mas será o Benedito?", Editora Globo - Rio de Janeiro,1997, págs. diversas, no qual o autor parte em busca das origens de 419 provérbios, expressões e ditos populares brasileiros. Ao longo do caminho, inventa histórias improváveis, conta mentiras deslavadas e se entrega a especulações mirabolantes tudo, é claro, com muito humor. Vamos a elas:

1. as aparências enganam:

Significativo: Nem tudo aparenta o que realmente é.

Histórico: Esta é fácil. Todo mundo sabe que a expressão surgiu naqueles parques de interior onde havia espelhos que deformavam nossa imagem. Num a gente ficava alto e fininho e no outro baixo e gordinho.

2. bater caixa:

Significativo: Conversar, jogar conversa fora

Histórico: Antigamente os bancos não tinham as filas de hoje e todo mundo se conhecia. Quando um cliente ia ao banco, à caixa, ficava ali a "bater caixa", jogando conversa mole com o funcionário, até que aparecesse outro cliente. Hoje em dia é impossível "bater caixa" num banco.

3. brincar com fogo:

Significativo: Meter-se em coisas perigosas.

Histórico: segundo o professor Alcides Capella, estudioso das guerras francesas, a mãe de Joana D'Arc teria dito para ela parar de "brincar com fogo". A sapatona, como você sabe, teimosa, não deu ouvidos à suplicante mãe. Deu no que deu.

4. cutucar a onça com vara curta:

Significativo: Meter-se onde não se deve, abusar da situação, estar em perigo iminente.

Histórico: Isso era uma brincadeira que os lacaios da corte faziam com Dom João VI, famoso pelo pequeno pênis. "Onça" era o apelido (entre os serviçais) de Dona Carlota Joaquina, que, dizem, batia muito em Dom João VI, porque ele nem sempre gostava de abusar da situação sexual. Não se sabe ao certo se por causa da vara curta. Mas, como diria Marta Suplicy, "o importante não é o tamanho da vara de condão, mas sim a mágica".

5. quebrar a cara:

Significativo: Dar-se mal.

Histórico: A expressão é deste século e americana. Surgiu quando começaram a colocar grandes portas de vidro nas lojas de Nova York. Nunca se sabia se estavam abertas ou fechadas e os americanos, muitas vezes, "quebravam a cara" indo de encontro ao vidro. Já deve ter acontecido com você também.


[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.