Pensamentos & Reflexões

José Alberto Braga (JAAB)


- O pensamento é uma espécie de editorial, escrito na cabeça de um alfinete.

- Uma coisa é aprender com o passado; outra é ficar lá preso.

- No imbecil, o espírito sopra em sentido contrário.

- Não se pode correr riscos à risca.

- Uma mulher repudiada é um exército em ebulição.

- Para se ter medo, também é preciso uma boa dose de coragem.

- De tudo se faz um pouco de nada.

- Mijar para fora e soluçar para dentro.

- Não há nenhum problema mecânico que não possa ser resolvido com um chute dado no local certo: o aparelho pode não voltar a funcionar, mas o consolo é garantido.

- Elogio falso traz embutida a ofensa.

- Num cocktail, no momento em que alguém avança para pegar na primeira bebida, vê-se como a coragem é contagiosa.

- No pinga pinga, a torneira mostra a sua constipação.

- Só há dois tipos de condecorações: uma condecora o ego e a outra a adjetivação.

- O avião é o transporte mais rápido do mundo, até quando cai.

- O ovo é uma galinha em dúvida.

- O caminho mais curto entre dois pontos é a esferográfica.

- Filosofia é um método científico de raciocínio, através do qual se consegue juntar mais um problema a uma possível solução.

- Antes de ir ao longe, convém pensar no transporte.

- A unha encravada não é uma boa prova da existência de Deus.

- Deus ouve mas não fala.

- Há em mim um desconhecido que me persegue e que pensa que sou eu.



José Alberto Braga (JAAB) nasceu em Braga, Portugal, no dia 17 de janeiro de 1944. Aos 15 anos emigrou para o Brasil na qualidade de “trabalhador agrícola”, atividade que nunca exerceu. No Rio de Janeiro, durante cerca de 25 anos, foi trabalhador de farmácia, office boy, bancário, bibliotecário e finalmente jornalista.

Nos anos 60 e 70 tem algumas incursões teatrais, na escrita e como ator. Sob a direção de Oswaldo Loureiro, trabalhou na peça “A Capital Federal”, de Arthur Azevedo, e em “Feiticeiras de Salém”, contracenando com Mário Lago, entre outras.

Depois de passagem pelos jornais do meio português no Brasil, foi colaborador do suplemento “Idéias”, do Jornal do Brasil, Tribuna da Imprensa e revista “Vozes”. Trabalhou como redator do programa “Portugal sem Passaporte”, exibido na extinta TV Tupi e na TV Bandeirantes (1973-75), programa por duas vezes premiado pela crítica brasileira.

Em 1974, é licenciado em Jornalismo pela Universidade Federal Fluminense. Inicialmente como colaborador, a convite de Millôr Fernandes tornou-se redator de “O Pasquim” (1978-79), assinando à época sob o pseudônimo de “JAAB”. Também trabalhou em diversos programas de rádio no Rio de Janeiro.

Em 1982, regressa a Lisboa na qualidade de correspondente do Jornal do Commercio do Rio de Janeiro. Nesse mesmo jornal, durante dez anos e a partir de Portugal, manteve uma coluna diária sobre acontecimentos portugueses e luso-brasileiros.

Ao longo de 20 anos, foi colaborador do “Diário de Notícias”, “Público”, “Jornal de Letras” e “TV Guia”, em Lisboa. Participou freqüentemente de programas da televisão portuguesa – RTP e SIC – na qualidade de comentarista de assuntos internacionais (telejornais e programas de atualidade, como “Acontece”, “Sinais do Tempo” e outros).

Ainda como correspondente da imprensa brasileira, presidiu a “Associação de Imprensa Estrangeira” em Portugal (1987/1989). Foi vice-presidente da Casa do Brasil em Lisboa (1993/1994).

Junto com o embaixador José Aparecido de Oliveira, trabalhou ativamente na construção da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa). Também por sugestão de Aparecido, elaborou a publicação “Guia Brasil”. Foi criador e diretor da revista “Lusofonia” (1997). Diretor e orientador editorial da Editora Mensagem (Lisboa), de 2000 a 2005.

Regressa uma vez mais ao Rio de Janeiro, em 2006, e retoma atividades na imprensa, especialmente no Jornal do Commercio do Rio de Janeiro.

Livros publicados:

“As treze pragas do século XX”, editora Folhetim, Rio de Janeiro, 1976, prefácio de Millôr Fernandes.

“Tira a mãe da boca”, Codecri (editora de “O Pasquim”), Rio de Janeiro, 1980, prefácio de Jô Soares.

“Como passar no vestibular sem fazer força”, editora Marco Zero, Rio de Janeiro, 1988. (*)

“O guia da sobrevivência política”, ilustrações do cartunista português Antônio, editora Pergaminho, Lisboa, 1991.

“Fábulas imorais”, editora Pergaminho, Lisboa, 1995.

“Breviário de assuntos inúteis”, Trinova, Lisboa, 1998.

“O caçador de Étês”, Trinova, Lisboa, 2001.

“Pensamentos & Reflexões”, editora Mensagem, Lisboa, 2002, ilustrações de Casimiro Barreto.

“Fábulas Imorais”, (2ª. Edição), editora Mensagem, Lisboa, 2004), capa de Millôr Fernandes.

“Fundamentalismo para Principiantes”, editora Planeta, Lisboa, 2008.

“Pensamentos e Reflexões” (2ª. edição), Ficções Média, 2008.

“Fábulas Imorais” (3ª. Edição), Gryphus editora, Rio de Janeiro, 2008. Prefácio de José Eduardo Agualusa.

(*) Os três primeiros livros foram publicados sob o pseudônimo de JAAB

Biografias:

“Os olhos da Alma – a Vida de Manuel Madruga”, Trinova, Lisboa, 1999.

“José Aparecido – o Homem que Cravou uma Lança na Lua” Trinova, Lisboa, 1999.

Teatro do autor:

“O Mistério do Queijo Desaparecido”, peça infantil encenada no Clube Ginástico Português do R.de Janeiro, 1973.

“A Funerária”, peça de humor negro, 1980.

“Purpurina’s Bar”, peça irônico-existencial, 2000.


Texto extraído do livro “Pensamentos & Reflexões”, Editora Mensagem, Lisboa, 2002.

[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.