O recém-casado

José Carlos Oliveira


Encontro um velho companheiro de farras:

— Estou indo para a Cidade — diz ele. — Agora estou trabalhando no setor imobiliário. Olha o meu dedo. (Mostra-me a aliança no anular esquerdo.) Casei. É, casei. Você lembra como a gente brigava. Pois é, mas acabamos casando. Ninguém sabe como é isso; depois do casamento, não brigamos mais. Casamos porque todo dia a gente brigava, se separava, e na semana seguinte tudo recomeçava. Ela chegou à conclusão de que a única maneira de a gente se separar mesmo era casando... O casamento foi legal. — Nos dois sentidos. Apareceu um juiz togado e ela ficou uma fera. "Ora vejam!" disse ela. "Por que não me avisaram que o negócio seria à fantasia?" O juiz ficou encabulado. Nós estávamos um pouco tontos, esta é que é a verdade. A comemoração começou de manhã cedo. Mas o casamento só ficou chato quando o juiz começou a falar aquelas palavras que todo mundo conhece. Perguntou a ela: "A senhora insiste?" Ela respondeu que sim. E o juiz perguntou: "A senhora persiste?" E ela respondeu: "Bom, persistir... não chego a tanto. Insistir, insisto, mas persistir já acho meio forte." Mas o pior foi quando o juiz nos chamou de nubentes. Ora veja você: nubentes! Eu tive vontade de dizer que nubente era a vovozinha dele.

— Ela está descansando na serra. Vou subir no fim da semana. Estamos comprando uma casinha lá na serra. Quando tudo estiver arrumado, vou reunir a turma. Você está convidado. Nós não brigamos mais, porém estou proibido de contar as histórias nossas, da turma. Ela me disse: "Você nunca me contou uma história de bebedeira que terminasse bem. Todas as suas histórias terminam com todo mundo brigando ou todo mundo no distrito." E ela tem toda razão. Fiz um balanço das minhas histórias com a turma e, de fato, todas terminam em pancadaria. Você se lembra quando fomos presos em Magé? Pois é. Até hoje não compreendi como é que fomos parar naquela delegacia. E aquele botequim de Teresópolis? Olha, outro dia estávamos lá e ela quis entrar no boteco para comprar não sei o quê. Eu disse que não entrava e ela perguntou qual a razão. Mudei de assunto, ela insistiu, acabamos entrando. Na hora de entrar, pensei: "Pronto, vai começar tudo de novo." Felizmente, não me reconheceram. Você se lembra do botequim, não é? O tal que o dono veio contar anedota pornográfica para nós. A gente estava com a Lili e eu resolvi interpelar o camarada. Ele veio com o revolver e eu disse: "Vem você com o teu revolver e chama mais dois, pois eu sou mais eu." O cara medrou, lembra? Pois é. Mas essa história eu não posso contar a ela, pois termina em briga... Quer dizer, a história termina em briga, e ela acaba brigando comigo por causa das minhas histórias que sempre terminam em briga... Não, não tenho visto a turma não. Deixei de ir aos botecos. Agora sou um homem direito. Eu agora sou nubente, morou? Nubente... Acontece cada uma! E você? Casou? Ah, não? Quer dizer que continua na farra? Você é que é feliz...


O capixaba
José Carlos Oliveira foi a maior afirmação da crônica brasileira na década de 60. Trouxe para o gênero uma certa mistura de lirismo e sarcasmo, em um estilo de máxima agilidade, a serviço de uma sensibilidade especial para o ridículo e o patético do homem do nosso tempo. De seu livro "A revolução das bonecas", Editora Sabiá — Rio de Janeiro, 1967, pág. 200, extraímos a crônica acima.

[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.