[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

?Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr



J. Carino
Foto de Felipe Carino


Sangue de Cristo

J. Carino


?gordinha, mas não rotunda. Tem as bochechas rosadas das avós amorosas. A voz meiga não trai a crueldade que lhe vai n'alma, herdada em carne e sangue da criação na família burguesa do interior.

Com voz melíflua que quase nunca se altera, descompõe a empregadinha negra com vontade, com gana, como que pensando: "Ah, se a escravidão voltasse!..."

Nesses momentos, rememora a vida de moçoila rica para os padrões de sua cidade. Acostumou-se a mandar, a ter serviçais - resquício de um passado tão lamentado porque se foi.

Era bonita e mimada. E seguiu a caravana: casou-se com aquele médico recém-formado, de futuro promissor... se quisesse se beneficiar do mandonismo do sogro, que terminaria fazendo do cunhado um governador.

Mas, não. Acabou sendo mulher de médico. Mulher, não; esposa. Esposa caseira, recatada e parideira. Um, dois, três... sete filhos foram vindo, tirando-lhe a formosura e limitando-lhe o espírito j?acanhado pela formação s?como professorinha interiorana.

Hoje, entrada nos oitenta, restam-lhe as lembranças e a fatal vocação para beata. Hoje reza. Reza e mete o aguilhão que humilha em faxineiras, balconistas e outros seres desprezíveis que lhe cruzam o caminho, representantes inconscientes dos abjetos seres inferiores saídos da senzala.

Sai, agora, em seu passinho miúdo, para ir ?missa. Sai propositadamente atrasada, com o olhar vivaz reparando em todas as mazelas do mundo, em todos os pecados mal escondidos por saias tão curtas, meu Deus!

Chega ?igreja e percorre, de nariz em p? a nave apinhada. Goza sua majestade, sua condição de velha, chantageando com o olhar os que estão sentados, at?que alguém perceba o desaforo que ?não lhe dar o lugar.

Hóstia santa, consagrada, corpo de Cristo; vinho abençoado, sangue do nosso salvador...

Passo miúdo, olhar brilhante, murmura todas as respostas do ritual. Não sabe, não pensa, não reflete, s?repete, mastigando palavras h?muito decoradas, no automatismo de uma vida inteira mergulhada em ladainhas.

Sem agradecer ao jovem que não fez mais que a obrigação de lhe ceder o lugar, senta e reza. Vez por outra, desafia o reumatismo e amassa contra o chão os joelhos calosos de tantas genuflexões.

Hoje esta igreja parece tão menos familiar. A pele de cera e o olhar baço das imagens parecem animados do sopro da vida. O incensório parece trazer, além do perfume, tão impregnado em suas narinas, uma bruma acolhedora, nevoeiro duma cidade fantasma para além do tempo e do espaço.

Hóstia santa, consagrada, corpo de Cristo; vinho abençoado, sangue do nosso salvador...

Tudo est?estranho. Os sons soam amortecidos; as luzes vão se apagando, as cores esmaecendo...

Corpo de Cristo, sangue de cristo...

De repente, um lembrar total sem vontade: o marido velho, as filhas e filhos, netos, bisnetos, comidas, vida boa de mocinha mandona e paparicada... a casa, os pecados cometidos s?em pensamento...

Hóstia santa, consagrada, vinho abençoado...

A mente se afoga num torpor quase gostoso. Uma dormência nos braços, uma dorzinha leve que cresce e vira dorzona muito pior que a das enxaquecas reais e a das fingidas.

Tudo gira, gira, ela cai num torvelinho fantástico.

Um baque. A surpresa (coitada da velhinha!).

Da cabeça, fendida contra o degrau do altar, corre sangue.

Boquiaberto, colhido pela surpresa da vida (ou da morte) real, o jovem padre faz tombar o sagrado cálice. A vermelhidão escura toda se mistura.

Sangue de cristo...


J. Carino
(1945), carioca da gema nascido no bairro de Cordovil, ?professor universitário aposentado de filosofia. Ao longo de toda a vida, em meio ao cotidiano de aulas, coordenações de cursos, orientações de alunos e ?faina das pesquisas, sempre encontrou tempo para escrever. Seus textos precisos e ao mesmo tempo poéticos, combinam a racionalidade filosófica com a magia da criação literária, transfigurando tudo em observação minuciosa, inventividade e lirismo. ?autor do livro de crônicas sobre o Rio de Janeiro intitulado “Olhando a Cidade & Outros Olhares? com apresentação de Ruy Castro.

O trabalho acima nos foi enviado diretamente pelo autor.

E-mail: carino@urbi.com.br

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

?Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
?@njo