[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr



Barão de Itararé
(Apparício Torelly)

 


Propaganda Realista

Barão de Itararé


Os poetas celibatários fizeram uma frase, que é repetida com entusiasmo pelos casais sem filhos:

— A criança é a alegria do lar.

Mas não é.

A criança poderia ser, de fato, a satisfação de seus pais nos seguintes casos concretos, mesmo assim sujeitos a discussão:

1) quando não chora;
2) quando não faz sujeiras, e
3) quando está quieta.

Ora, todas as crianças choram por dá cá aquela palha. Todas as crianças cometem inconveniências de hora em hora, e todas as crianças normais têm bicho-carpinteiro. Logo, numa casa com crianças fungando, molhadas e irrequietas não pode haver tranqüilidade.

Uma criança que não chora, porém, é para os pais uma constante preocupação. Uma criança que não suja as calcinhas é uma coisa alarmante, que exige um purgativo. Uma criança sossegada deve estar, com certeza, doente.

Em qualquer uma dessas três hipóteses, a criança é uma tortura para um pai extremoso e, sem receio de errar, pode-se dizer que uma criança quieta é sempre motivo para inquietação dos senhores genitores.

Uma criança que chora preocupa muito os pais, mas quando não chora preocupa muito mais.

Há, portanto, uma inverdade na frase dos poetas solteirões, quando afirmam que a criança é a alegria do lar. Trata-se de uma falsa propaganda, que necessita ser em tempo corrigida, em benefício da conservação da espécie e do povoamento do solo.

Apesar de todas as choradeiras e de todas as inconveniências, nós devemos ser sinceros amigos das crianças, lembrando-nos que nós também já demos muito trabalho a quem nos criou.

Mas o nosso entusiasmo pelo desenvolvimento da natalidade não nos deve levar ao extremo de afirmar que as crianças são umas gracinhas, porque isso seria ilaquear a boa fé dos candidatos inexperientes à paternidade.

Em vez de uma propaganda mentirosa, que levará o freguês, mais cedo ou mais tarde, a uma terrível desilusão, é mais conveniente dizer toda a verdade.

O moço que se casa deve, portanto, saber, antes de tudo, que lhe será muito difícil, nos dias que correm, ser uma boa mãe de família.

(1945)


Comemoramos, com este texto, os 106 anos do querido Barão de Itararé, nascido aos 29 de janeiro de 1895, cujo trabalho permanece vivo entre nós.


Extraído do livro “Máximas e Mínimas do Barão de Itararé”, Editora Record – Rio de Janeiro, 1986, pág. 60, seleção e organização de Afonso Felix de Sousa.


Saiba sobre o autor e sua obra visitando “
Biografias”.

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
® @njo