[ Principal ][ Releituras ][ Biografias ][ Novos Escritores ]

?Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr



Studiorra Ag. Editora

Nome:
Apparício Fernando
de Brinkerhoff Torelly

Nascimento:
29/01/1895

Natural:
Rio Grande do Sul

Morte:
27/11/1971

Menu do Autor


Barão de Itarar?- (Apparício Torelly)


"Al Barón de Itarar?br> un grande entre los grandes,
con respeto le saluda de pie
el poeta de los Andes:
Neruda.

(Pablo Neruda, 1945)


Apparício Fernando de Brinkerhoff Torelly, o Barão de Itarar?/b>, nasceu na cidade de Rio Grande, no interior do Estado do Rio Grande do Sul, um local próximo ?fronteira com o Uruguai, no dia 29 de janeiro de 1895.

Em 1906 matricula-se, como interno, no Colégio Nossa Senhora da Conceição, em São Leopoldo-RS, onde faz o seu primeiro jornal manuscrito, intitulado "Capim Seco", com tiragem de um exemplar, em 1909.

Deixa o colégio após cursar o 5? ano ginasial, em 1911. Anos depois, por pressão familiar, matricula-se na Faculdade de Medicina de Porto Alegre-RS.

"Pontas de Cigarros", "versos diversos" e "poemas bem humorados", o primeiro e único livro com seu nome verdadeiro, ?publicado em 1916.

Em 1918, durante suas férias, sofre um derrame quando andava a cavalo na fazenda de um tio. Face ao problema surgido, abandona a Faculdade no 4? ano e inicia viagens pelo interior do estado, fazendo conferências sobre diversos assuntos.
 Publica sonetos e artigos em jornais e revistas, como: "Kodak", "A Máscara" e "Maneca". A partir de então, dedica-se exclusivamente ao jornalismo.  Nessa mesma época funda "A Noite e a Reação", "A Tradição" e " O Chico", seu primeiro jornal de humor. Casa-se com Alzira Alves, com quem tem três filhos: Ady, Ary e Arly.

J?separado, em 1925, muda-se para o Rio de Janeiro. Começa a trabalhar no jornal "O Globo" como articulista, tendo como padrinho Irineu Marinho, Diretor-proprietário daquele matutino. Com sua morte, naquele mesmo ano, Aparício Torelly  desliga-se do jornal e, a convite de Mário Rodrigues (pai de Nelson Rodrigues), ex-secretário do Correio da Manh?/i>, começa a escrever uma coluna na primeira página da que, no futuro, seria "A Manh?quot;. Com ele vai Andres Guevara, ilustrador, que conhecera h?pouco. 

No dia 2 de janeiro de 1926 estréia n'"A Manh?quot; com a coluna intitulada "A manh?tem mais...", assinada sob o pseudônimo de Apporelly. Diante da boa receptividade que obteve, o humorista ?levado a criar outra coluna, também na primeira página.

Aproveitando-se da data, em 13 de maio de 1926 abandona o emprego e funda seu próprio jornal, "A Manha", um tablóide de circulação nacional. O jornal ?um sucesso completo, superando as fórmulas j?velhas conhecidas dos leitores, como "O Malho", "Fon-Fon" e "Careta".

Historia contada sobre o autor: Corria o ano de 1928. Em Porto Alegre, uma conferência sobre pesquisa para descobrir a causa da aftosa (doença que ataca o gado) mobilizava um público atento. Getúlio Vargas, então deputado no Distrito Federal (Rio de Janeiro), estava presente. O conferencista, dono de argumentação técnica consistente, impressionava. No encerramento, disse:

— ?imperioso que desenvolvamos esse tipo de pesquisa, para benefício do Brasil, pois que uma vacina eficaz contra a aftosa tem grande significado econômico.

Criado o clima de gran finale, aumentou a voltagem atmosférica, ao desafiar, subitamente:

— Afinal de contas, quem ?que somos nós? Repito: quem ?que somos nós?

Ato contínuo, frente a uma platéia literalmente hipnotizada, o conferencista começou a dançar e a cantar o conhecido hino: "Nós somos da pátria amada, fiéis soldados...". E dançando e cantando saiu da sala.

Em 1929 "A Manha" circula como encarte semanal do jornal "O Diário da Noite", por quatro meses. O jornal, do conhecido Assis Chateaubriand, na primeira semana dobra a tiragem, vendendo 15.000 exemplares, at? atingir a marca de 125.000 exemplares na data da publicação do programa da Aliança Liberal. 

Sempre irreverente, em 1930, com a revolução, o autor proclama-se Duque de Itarar?/b>, herói da batalha que não houve. Semanas depois, rebaixa-se a Barão como prova de modéstia. No dia 02 de setembro de 1932 ?preso pela 4? delegacia auxiliar (responsável pela ordem política e social), após "delirante atividade revolucionária" mantida nas páginas d' "A Manha" e constantes estocadas contra o governo instalado pela revolução. 

O ano de 1934 marca a abertura do "Jornal do Povo", em outubro, em companhia de Aníbal Machado, Pedro Mota Lima e Osvaldo Costa.  Nos dez dias em durou, o jornal publica em fascículos a história de João Cândido, um dos marinheiros da revolta de 1910. O Barão ?seqüestrado e espancado por oficiais da marinha nunca identificados. Depois do atentado retorna ?redação e afixa uma placa na porta: "Entre sem bater".

Preso, novamente, em 09 de dezembro de 1935, por ser militante e um dos fundadores da Aliança Nacional Libertadora, permanece "em cana" durante todo o ano de 1936, primeiro a bordo do navio presídio D. Pedro I, depois na Casa de Detenção do Rio de Janeiro; juntamente com Hermes Lima, Eneida de Morais, Nise da Silveira e Graciliano Ramos. Dona Zoraide, sua segunda mulher, falece nesse ano.

Este último, em "Memórias do Cárcere", referiu-se por diversas vezes  ao Barão, tendo dito: "... Ao fundo, Apporelly arrumava cartas sobre uma pequena mesa redonda, entranhado numa infinita paciência. Avizinhei-me dele, pedi notícias do livro que me anunciara antes: a biografia do Barão de Itarar? Como ia esse ilustre fidalgo? A narrativa ainda não começara, as glórias do senhor barão conservavam-se espalhadas no jornal. Ficariam assim, com certeza: o panegirista não se decidia a pôr em ordem os feitos do notável personagem."

Mas suas citações sobre o Barão em seu famoso livro desagradaram a amigos do enfocado, como se pode perceber nas declaração de Carminda de Azevedo Mendes Steed, amiga de Apparício: "...E quem leu "Memórias do Cárcere" e quem conheceu o Apporelly, fica com uma bruta duma raiva do seu Autor, o insigne, amargo, festejado, realista, seco como o sertão -- ah, um cactos o cáustico Graciliano, quando relata o dia a dia de seus companheiros presos e onde focaliza um Apporelly piadista, loquaz e festeiro, durante o dia sempre tentando levantar o moral de todo o mundo e um pobre desvalido, acometido de tremuras e suadeiras ?noite como que atrapalhando, incomodando o repouso de seus companheiros. Um covarde travestido de bufo? Não seria isso mesmo que a gente l?nas entrelinhas?".

E concluía: "...Sabia l?Graciliano se essas noites nos dormitórios extensos de altas paredes e silêncios seculares onde o interno de São Leopoldo, nas mãos daqueles Mestres (que Ele, convenhamos, amava) alemães e jesuítas, como se não bastasse serem s?alemães ou s?jesuítas, aquele menino carente e vulnerável, órfão de mãe e premiado por um pai truculento e lacônico, ou seriam essas noites no Pedro I não o reflexo de sua infância j?tão antiga, mas, a realidade do aqui e agora da infância e adolescência de seus filhos -- sem mãe também e jogados às traças por um amigo desleal a quem Apporelly os confiou." 

Solto em 21 de dezembro de 1936, com outros 100 presos, reabre "A Manha", que s?consegue funcionar por um ano, sob severa censura do DIP. Casa-se, pela terceira vez, com D. Juracy, que lhe d?mais um filho, Amy Torelly.

Janeiro de 1938 marca sua volta ao "Diário de Notícias", do Rio de Janeiro, e da coluna "A manh?tem mais...", onde colabora por quase seis anos. 

No dia 27 de janeiro de 1939 ?preso novamente por três dias. O fato se repetir? diversas vezes at?o fim do Estado Novo. 

D. Juracy, sua esposa, falece em 1940, ao dar ?luz àquele que seria seu segundo filho com ela. A criança também falece. Apporelly retira-se para uma chácara em Bangu, no Rio, cedida pelo industrial Guilherme da Silveira Filho, e ali instala um laboratório onde desenvolve pesquisas sobre a vacina contra a febre aftosa, baseado em teorias de Pasteur.

Sua filha Ady morre em 1943, vítima de complicações pós-operatórias provocadas pela extração do apêndice.

Homenageado com um jantar na Associação Brasileira de Imprensa (ABI), por amigos e jornalistas, em 1944, pelos seus 25 anos de jornalismo, no ano seguinte o Barão encabeça, no ano seguinte, um abaixo-assinado por liberdades democráticas. Ressurge "A Manha" com enorme sucesso, superando o que havia feito nas décadas de 20 e 30, contando com a colaboração de renomados escritores, tais como: Jos?Lins do Rego, Sérgio Milliet, Rubem Braga, Raimundo Magalhães Jr. e Álvaro Lins. Arnon de Melo assume a área comercial do jornal e incentiva o aparecimento da figura do Barão como garoto-propaganda. Participa ativamente da campanha de Yedo Fiuza, candidato oficial do Partido Comunista Brasileiro (PCB) ?presidência da República.

Candidata-se ?Câmara do Distrito Federal pelo PCB e, provando sua popularidade, ?o oitavo mais votado de sua bancada, a qual obtém maioria na Câmara de Vereadores. O slogan da campanha foi: "Mais leite, mais água, mas menos água no leite — Vote no Barão de Itarar? Apparício Torelly." A convite de Luiz Carlos Prestes, passa a colaborar com a "Folha do Povo". Faziam parte da equipe Carlos Drummond de Andrade, Di Cavalcanti, Jorge Amado e o jovem Sérgio Porto (posteriormente conhecido como Stanislaw Ponte Preta). No final do ano o registro do PCB ?cassado e seus representantes eleitos perdem seus mandatos.

Fortuna, um dos melhores humoristas que este país j?teve, disse: "...Se, primeiro por inexistência e depois por criancice, não o alcancei nos anos 30, nem por isso ele deixou de me alcançar através d' "A Manha" de 46, "o único quintaferino que sai às sextas". Ele podia achar o máximo essa autogozação, mas em São Luís do Maranhão eu tinha que recicl?la para "o único quintaferino que chega dois meses depois". Parece que devido a gastos de guerra estava em vigor o racionamento de troco. "A Manha" custava um passe de bonde. Eu ia para o colégio a p? rindo. Sou-lhe grato por ter amenizado as ladeiras que por sua causa tive que subir."

Em virtude de problemas financeiros, "A Manha" deixa de circular, em 1948.

O Barão associa-se a Guevara e lança o primeiro "Almanhaque" ou "Almanaque d'"A Manha" em São Paulo (1949).

Com o sucesso do lançamento, anima-se o Barão e, em 1950 "A Manha" volta a circular, editada em São Paulo, onde o humorista passa a viver por algum tempo, ou seja, at?setembro de 1952, quando o jornal deixa de circular, definitivamente.

Em 1955 lança dois "Almanhaques", no 1? e 2? semestres. Colabora com o jornal "Última Hora". Velho e cansado, fixa-se novamente no Rio e casa-se, pela quarta e última vez com Aida Costa, que teve fim trágico anos depois.

Viaja pela China, em 1963, a convite do governo de Pequim, com passagem por Praga e Moscou. Nos anos seguintes (1964/1970), dedica-se a seus "horóscopos biônicos" e "quadrados mágicos". Passa a maior parte do tempo estudando e vive s?em um pequeno apartamento em Laranjeiras, bairro do Rio de Janeiro.

Carminda diz mais: "...Esclerose — s??  Sentenciavam alguns sectários, donos da verdade. Pureza, alma sensível, gentil. Caráter impoluto. Teve dignidade por toda sua vida — respeito por todo mundo e por todas coisas. E teve dignidade ao morrer. Morreu sozinho para não sofrerem por ele enquanto estava morrendo."

No dia 27 de novembro de 1971, falece aos 76 anos de idade, Apparício Torelly.

Livros Publicados:

Do Autor:

- Pontas de Cigarros, Apparício Torelly, Rio de Janeiro - 1925

- "O Globo" - Rio de Janeiro - 1925 - artigos

- "A Manh?quot; - Rio de Janeiro - 1926 - artigos

- "A Manha" - Rio de Janeiro - 1926-1952 - artigos

- "Jornal do Povo" - Rio de Janeiro - 1934 - artigos

- "Avante", "Homem Livre", "O Povo" - RJ - Década de 30 - artigos

- "Diário de Notícias" - Rio de Janeiro - 1938-1942 - artigos

- "Almanhaque" - São Paulo - 1949 - 1? semestre

- "Almanhaque" - São Paulo - 1955 - 1? semestre

- "Almanhaque" - São Paulo - 1955 - 2? semestre

- "Última Hora"  - São Paulo - 1955-1959 - artigos esparsos

- "Almanhaque" - Agência Studioma Editora - São Paulo - 1989 (reedição de 1955)

Sobre o Autor:

- "Apporely Cientista", in Revista Diretrizes, 06/03/1941 - Otávio Malta

- "O único Barão da República", in Realidade, janeiro/1970 - Fortuna

- "Barão de Itarar?quot; - Leandro Konder, Edit. Brasiliense - São Paulo/1983

- "O Barão de Itarar?quot; - Ernani S? Porto Alegre/1984

- "Máximas e Mínimas do Barão de Itarar?quot; - Afonso Felix de Souza (org) - Editora Record - Rio de Janeiro/1986

- "As duas vidas de Apparício Torelly", Cláudio Figueiredo, Editora Record - Rio de Janeiro/1987

Homenagens:

H?duas escolas com o nome "Barão de Itarar?quot; no Rio de Janeiro: uma em Marechal Hermes e outra em Santa Cruz. Em Japeri, Baixada Fluminense, o CIEP 402 leva o nome de Apparício Torelly.


Fontes: Livros do e sobre o autor, sites da Internet.


Ir para o menu do autor

 

[ Principal ][ Releituras ][ Biografias ][ Novos Escritores ]

?Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como
objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
?@njo