Como vencer no bar sem fazer força

Fernando Sabino


No dia do enterro de Churchill ele foi barrado pela Polícia nada menos que cinco vezes. Tinha credencial para se postar com as suas cinco câmeras junto ao Parlamento, mas cismou de entrar na Catedral de São Paulo, onde só eram admitidos os fotógrafos oficiais: meto uma conversa, estou aqui, estou lá dentro. O guarda se postava em seu caminho, ele tranqüilamente metia sua conversa em português, desconversava, driblava, embrulhava:

-- Deixa pra lá, meu chapa: proibido nada. Pra cima de mim?

Na quinta vez o guarda perdeu a paciência e o levou em cana. Mas não saber inglês sempre tinha suas vantagens: passado para as mãos dos policiais do carro de presos, tantas falou e aconteceu, que em pouco voltava, lampeiro, para junto da catedral: eu não dizia? Olha o papai aqui.  Agora vou entrar aí e mandar minhas brasinhas.

E acabou entrando.

Depois do que, resolveu fazer uma reportagem fotográfica de Londres, vista de cima. Vista de cima de onde? Londres não tem cima. Só se fosse do Hotel Hilton, onde não admitem fotógrafos, para que a intimidade da Família Real, nos jardins do Palácio Buckingham não seja devassada. Mas ele tinha melhor: para que, então, havia sido inventado o helicóptero?

-- Onde é que você vai arranjar helicóptero? Ainda mais sem falar inglês. Vai levar no mínimo uma semana. Deve precisar de licença especial.

-- Que licença especial! -- e ele peneirava o ar com a mão espalmada: -- Meto aí umas conversas, você vai ver só.

No mesmo dia rodava de helicóptero nos céus de Londres, fotografando o que queria e bem entendia.

À noite foi ao pub tomar uma cerveja. O lugar estava repleto, derramava freguês pela calçada.  Ele abriu caminho com as mãos, como se nadasse de peito:

-- Vai que é mole, minha gente -- e foi se enfiando bar adentro.

Mas era impossível alcançar o balcão, atrás do qual o dono se desdobrava passando canecas espumantes aos mais afortunados que se comprimiam ao seu redor. Ele bateu no ombro do inglês que lhe barrava a frente, estendeu-lhe uma nota:

-- Olha aqui, ó velhinho, vê se me encomenda uma cerveja ao bigodudo lá do balcão. Vai passando pra frente.

-- I beg your pardon? -- o inglês o olhava atônito.

-- Bir, bir -- esclareceu ele, correndo o mesmo risco daquele principiante em inglês que sentia não estar fazendo progressos, pois toda vez que pedia uma cerveja lhe traziam um urso. Com uma mímica desabusada, que abria em torno uma clareira de empurrões, conseguiu explicar ao outro o seu propósito. E batia no peito como Tarzan:

-- Mim brasileiro.

A nota foi passando de mão em mão, e apontavam:

-- Uma cerveja. Para um brasileiro ali atrás.

Em pouco veio voltando por sobre as cabeças uma caneca de cerveja. Atrás dela voltou o troco. Todos achavam graça, inclusive o dono do bar, e procuravam colaborar:

-- Vai passando. Muito obrigado.

Estava inaugurado um novo sistema de atendimento, dentro da ética secular dos bares ingleses. Ele já sugeria ao seu vizinho:

-- Quer uma cerveja? Me dá seu dinheiro aqui. Você aí da frente, vai levando.

Para um terceiro abriu caminho novo, usando uma série de mãos solicitar à sua direita, em linha torta até o balcão. Estabeleceu mais uma conexão à sua esquerda, aos poucos foi lançando por sobre as cabeças várias rotas aéreas de dinheiro na ida e cerveja na volta, às vezes seguida do troco e de respingos de espuma.

Em poucos minutos o bar era um pandemônio: moedas circulavam de mão em mão, canecas eram passadas daqui para ali, algumas se entornavam. Atrás do balcão, o bigodudo punha as mãos na cabeça, incapaz de atender a um de cada vez, ameaçava botar todo mundo para fora antes da hora de fechar. Onde, desde os tempos de Dickens reinava o mais compungido silêncio e a mais perfeita ordem, baixou pela primeira vez na História a mais animada das confusões e o contentamento era geral. Os fregueses riam, alegres, e se prestavam a multiplicar o movimento, estendendo os braços como remos naquele mar de cabeças:

-- Para quem essa cerveja?

-- Pega ali o meu troco.

-- Mais uma para mim!

O sistema do mutirão se alastrara pelo bar inteiro, já ninguém mais sabendo de quem para quem. A horas tantas ele se despediu com um tapa nas costas dos que o circundavam, à brasileira, quando a animação ia no auge e se transformava em cantoria:

-- Este bar já está chato. Vou me mandar e inaugurar outro.


Texto extraído do livro
"A inglesa deslumbrada",  Editora Sabiá - Rio de Janeiro, 1967, pág. 144.

[ Voltar ]

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUAL
Copyright © 1996 PROJETO RELEITURAS. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.