[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr



Érico San Juan

 


Enquanto seu lobo não vem


Érico San Juan


Era uma fabulosa tarde domingueira. O rapaz saiu de casa, respirou, olhou-se no seu espelho interno só para verificar como continuava sendo o máximo,  pegou o carro e foi-se.

Na fabulosa e formosa tarde domingada, o negócio era beber. O rapaz, porém, não queria saber disso. Seu negócio era arrumar um disco de vinil do Edu Lobo, ídolo de seu pai, cujo coração dava mostras de fraqueza, causada por fraquezas várias anteriores. O velho não queria partir de coração partido, queria ouvir o disco que não ouvia há anos. Por não mais tê-lo em mãos,  pediu ao filho que o procurasse. E lá se foi o filho a Sampa, terra em que se plantando tudo dá, buscar num sebo o tal disco para o pai semi-moribundo.

O filho do pai desconfiava que o pai resistiria por um tempo finito, com ou sem Edu Lobo. Mas demonstrava certa frieza de sentimentos, pois confiava que encontraria o raio do LP no mesmo dia.

A fabulosa tarde domingueira deu os sinais de que decepcionaria as esperanças do moleque no carro. Veio uma tempestade no meio do caminho. Nuvens pretas dominaram o céu, outrora azul-anil nas entranhas do Brasil-zil. Difícil conduzir o carro numa rodovia molhada, repleta de outros  veículos, escura tal qual o sono de um pesadelo.

Centenas de quilômetros e pedágios depois, nada de mais grave ocorreu na viagem. Três horas de viagem, o rapaz chegou a um longínquo sebo de vinis em São Paulo. Era fim de expediente, o dono da loja resmungou em ter que atender a um retardatário, por fim deixou-o procurar o que desejava. Uma fortuna, o Edu Lobo. O filho do lobomaníaco pagou. E voou para casa.

O pai aguardava o rebento no leito de morte, fraco mas animado ao constatar que o filho cumprira seu desejo.

Os olhos do velho brilhavam como nunca. E, num gesto surpreendente, catou o disco do Lobo, rasgou a capa, sacou do vinil e o quebrou em dezenas de pedacinhos. Ao filho, perplexo com a cena, o quase-morto sentenciou:

— Essa é minha lição e meu legado, carregue-o para toda a vida, meu filho. Eu adorava a música desse cara, mas vejo que isso não me serve em nada numa hora destas. Jamais se apegue em excesso às coisas desta vida!

Feito o discurso, o pai do rapaz fechou os olhos e embarcou num sono sem fim. O rapaz propriamente dito não sabia se ficava triste com o passamento do velho ou se se contorcia de raiva com o gesto derradeiro do distinto progenitor...


Érico San Juan (1976) é cartunista profissional desde 1991. Publica no Jornal de Piracicaba, no caderno Fim de Semana, a tira de quadrinhos "Um pamonha de Piracicaba". Participou como artista selecionado do Salão Internacional de Humor de Piracicaba (2004 a 2006) e Paraguaçu Paulista (2005 a 2007), e jurado de seleção no Salão Universitário de Humor da Unimep (2006). Mantém um blog autoral de humor multimídia (http://ericosanjuan.blogspot.com), com charges, ilustrações e desenhos animados. No site MySpace (www.myspace.com/ericosanjuan), mantém uma página com canções de humor, de autoria e interpretação próprias. Atualmente, ministra oficinas de caricatura, criatividade infantil e humor gráfico em geral.

O texto acima foi enviado ao Releituras pelo autor.

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© 1996  PROJETO RELEITURAS — Todos os direitos reservados.
O PROJETO RELEITURAS — UM SÍTIO SEM FINS LUCRATIVOS — tem como objetivo divulgar trabalhos
de escritores nacionais e estrangeiros. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior. ®@njo