[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr


Abgar Renault
Abgar Renault

Menu do Autor:

 

Último texto

Mensagem ao Poeta Carlos Drummond de Andrade

Abgar Renault



Fazendeiro sem fazenda,
eu escuto a tua moenda
moendo a cana dolorida
de que escorre intenso caldo
com gosto de sangue e vida;
teu trigo de nuvens, alto,
contemplo, que surge em ouro
do teu brejo de lembranças,
e perscruto salso coro
de póstumas esperanças;
bebo a tua água de sede,
de todo ti me embriago,
e na tua áspera rede
me vou, me levo, me trago,
de chão e dia me esqueço:
montado no teu cavalo,
densas roças atravesso,
a longínquos ventos falo,
sobre bocas cismadoras
velhos bigodes escuto,
que percorrem as lavouras,
impondo seu estatuto;
vejo um anjo: é fel e doce,
tomou tua mão de infância
e pelo escuro te trouxe;
tua essência e circunstância
vão subindo ausente escada
de tênue casa de lua;
flor de palavra fechada
em tua alma se insinua;
rosa-cardo desabrocha
o seu perfume de espinho
no cimo da tua rocha,
destila pungente vinho
na corola de uma taça,
tingindo-a amargosamente;
pelo seu terreiro esvoaça
vôo de canto silente,
e o colhes entre teus lábios,
e a ele teu dom se mistura;
engendras teus astrolábios,
constróis teus abismos e altura,
dás olhar a escuros seres
desces a peitos opacos
e vês sombrios haveres,
letras, horas, cinzas, cacos;
compões palhadas e esteiras,
abacelas as raízes
alporcas fuscas roseiras,
estrumas cansadas terras,
cuidoso limpa os pastos,
cavalo, pensas e ferras,
voas sobre os campos vastos;
voltas, casas as camélias,
fenas e ensilas forragens,
desgalhas árvores velhas,
e os teus pés engolem viagens
para amanhares alqueires;
e regas os teus transplantes,
examinas teus alfeires,
com sábias mãos incessantes
podas, sachas e mondas,
e em cada de tuas tulhas
teus grãos de estrelas escondes,
sóis disfarçados debulhas
das mais inscientes espigas;
se penetras nas senzalas,
em seu negrume respigas
brilhos de duras opalas;
és tu a foice e a colheita
dos teus íntimos idiomas,
e indelével lua espreita
ruas de tempo em que assomas.

*

Homem de pranto sem pranto,
que soluças, do teu barro
escondido sob o manto,
vida e amor — anéis sem aro;
Homem triste de Itabira
que do galpão da memória
extrais a nublosa tira
de uma estrada merencória.
revelhas arcas exumas,
cavalgas teu submarino
dentro de argilas e brumas,
pões no bolso o raro sino
de murcho som de violetas
esferas de sumos grossos
e pélagos de ondas pretas
que comoveram teus ossos
no ontem país dos Andrade,
— colhe a voz que, há quarenta anos
mais um, te disse amizade,
e no vale dos enganos
nunca se enganou contigo,
tua voz de ouro calado,
amaridúlcido amigo!
sulcos de teu grave arado,
teu sideral moenda,
fazendeiro sem fazenda.

Nota do Editor à época da publicação:
"N. da E. — Esta bela poesia de Abgar Renault foi publicada em "O Estado de São Paulo (Sup. Lit., 29/6/1963), meses após ter Carlos Drummond completado 60 anos. Agradecemos ao eminente escritor a honra de nos autorizar a incorporá-la (revista) nesta Seleta."


Abgar de Castro Araújo Renault, professor, educador, político, poeta, ensaísta e tradutor, nasceu na cidade de Barbacena (MG) no dia 15/04/1901. Filho de Leon Renault e de D. Maria José de Castro Araújo Renault, iniciou seus estudos em Belo Horizonte (MG). Formado professor, passa a exercer o magistério naquela cidade, trabalhando no Ginásio Mineiro e, posteriormente, na Universidade Federal de Minas Gerais. Na cidade do Rio de Janeiro (RJ), para onde se transferiu, deu aulas no Colégio Pedro II e na Universidade do Distrito Federal, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro. Eleito deputado estadual por Minas Gerais, exerceu diversos cargos de relevância, cabendo citar o de Diretor do Colégio Universitário da Universidade do Brasil; Secretário da Educação do Estado de Minas Gerais por duas vezes; Ministro da Educação e Cultura,; Ministro do Tribunal de Contas da União e o Centro Regional de Pesquisas Educacionais João Pinheiro em B. Horizonte. Exerceu diversos cargos no exterior, tais como o de membro da Comissão Consultiva Internacional sobre Educação de Adultos, da UNESCO; Membro da Comissão Internacional do Curriculum Secundário da UNESCO e representou o Brasil em diversas conferências internacionais sobre educação Teerã, Belgrado, Genebra, Londres e Santiago do Chile. Nomeado Professor Emérito da Universidade Federal de Minas Gerais, foi eleito, em 01/08/1968, para ocupar a cadeira nº 12 da Academia Brasileira de Letras, tendo tomado posse em 23/05/1969. Tradutor, especializou-se em poetas alemães, espanhóis, ingleses, norte-americanos e franceses.

O autor foi casado com D. Ignez Caldeira Brant Renault, com quem teve três filhos: Caio Márcio, Carlos Alberto e Luiz Roberto.

Faleceu no dia 31/12/1995, com 94 anos.

OBRAS:

- Sonetos antigos (1968)
- A lápide sob a lua (1968)
- Sofotulafai (1971)
- A outra face da lua (1983)

TRADUÇÕES
:

- Poemas ingleses de guerra (1942), de Rabindranath Tagore.
- A lua crescente (1942), de Rabindranath Tagore.
- Colheira de frutos (1945), de Rabindranath Tagore.
- Pássaros perdidos (1947), de Rabindranath Tagore. 
- O boi e o jumento do presépio, 1955), de Jules Supervielle.


Os versos acima foram extraídos do livro Seleta em Prosa e Verso de Carlos Drummond de Andrade,  Livraria José Olympio Editora - Rio de Janeiro, 1973, pág. XIX.

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© 1996  PROJETO RELEITURAS — Todos os direitos reservados.
O PROJETO RELEITURAS — UM SÍTIO SEM FINS LUCRATIVOS — tem como objetivo divulgar trabalhos
de escritores nacionais e estrangeiros. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior. ®@njo