[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras
Arnaldo Nogueira Jr



Augusto de Campos


Ferida

Augusto de Campos

 

fer
ida
sem
ferida
tudo
começa
de novo
a cor
cora
a flor
o ir
vai
o rir
rói
o amor
mói
o céu
cai
a dor
dói



Augusto
Luís Browne de Campos nasceu em São Paulo, em 1931. Poeta, tradutor, ensaísta, crítico de literatura e música, em 1951 publicou o seu primeiro livro de poemas, O rei menos o reino. Em 1952, com seu irmão Haroldo de Campos e Décio Pignatari, dando início ao movimento internacional da Poesia Concreta no Brasil, lançou a revista literária Noigandres, origem do Grupo Noigandres. Em 1955, no segundo número da revista, publicou uma série de poemas em cores, Poetamenos, considerados os primeiros exemplos consistentes de poesia concreta no Brasil. O verso e a sintaxe convencional eram abandonados e as palavras rearranjadas em estruturas gráfico-espaciais, algumas vezes impressas em até seis cores diferentes, sob inspiração da Klangbarbenmelodie (melodia de timbres) de Webern. Em 1956 participou da organização da Primeira Exposição Nacional de Arte Concreta (Artes Plásticas e Poesia), no Museu de Arte Moderna de São Paulo. Sua obra veio a ser incluída, posteriormente, em muitas mostras, bem como em antologias internacionais como as históricas publicações Concrete Poetry: an International Anthology, organizada por Stephen Bann (London, 1967), Concrete Poetry: a World View, por Mary Ellen Solt (University of Bloomington, Indiana, 1968), Anthology of Concrete Poetry, por Emmet Williams (NY, 1968). A maioria dos seus poemas acha-se reunida em Viva Vaia, 1979, Despoesia, 1994 e Não, 2003. Outras obras importantes são Poemóbiles (1974) e Caixa Preta (1975), coleções de poemas-objetos em colaboração com o artista plástico e designer Julio Plaza. Sei livro, Não poemas (2003), recebeu o prêmio de Livro do Ano, concedido pela Fundação Biblioteca Nacional.

Outras obras:

POESIA

Antologia Noigandres, 1962.

Linguaviagem, 1970.

Equivocábulos, 1970.

Colidouescapo, 1971.

Despoesia (1979-1993), 1994.

Poesia é risco (CD-livro), antologia poéticomusical, 1995.

Não poemas, com CD de “clip-poemas”, 2003 (Prêmio de Livro do Ano, concedido pela Fundação Biblioteca Nacional).

ENSAIOS DIVERSOS

Re/Visão de Sousândrade, 1964 (com Haroldo de Campos),

Teoria da poesia concreta, 1965 (com D. Pignatari e H. de Campos).

Balanço da Bossa, 1968 (com Brasil Rocha Brito, Julio Medaglia, Gilberto Mendes). A 2ª edição foi ampliada: Balanço da Bossa e outras Bossas, 1974.

Guimarães Rosa em três dimensões, 1970 (com H. de Campos e Pedro Xisto).

Pagu: Vida-Obra, 1982.

À margem da margem, 1989.

Música de invenção, 1998.

TRADUÇÕES E ESTUDOS CRÍTICOS

Dez poemas de E.E. Cummings, 1960.

Poemas de Maiakóvski, 1967 (com H. de Campos e B. Schnaiderman).

Poesia russa moderna, 1968 (com H. de Campos e B. Schnaiderman).

Traduzir e trovar, 1968 (com H. de Campos).

Antologia poética de Ezra Pound, 1968 (com D. Pignatari, H. de Campos, J. L. Grünewald e Mário Faustino).

ABC da literatura, de Ezra Pound, 1970 (com José Paulo Paes).

Invenção: de Arnaut e Raimbaut a Dante e Cavalcanti, 2003.


(Dados obtidos no página oficial do autor; na revista Poesia sempre e em sites na internet)


O poema acima, publicado no livro Não poemas, foi extraído da revista Poesia sempre, editada pela Biblioteca Nacional, ano 12, nº 19, Dezembro, 2004, pág. 17.

 

[ Principal ][ Biografias ][ Releituras ][ Novos escritores ]

© Projeto Releituras — Todos os direitos reservados. O Projeto Releituras — um sítio sem fins lucrativos — tem como objetivo divulgar trabalhos de escritores nacionais e estrangeiros, buscando, sempre que possível, seu lado humorístico,
satírico ou irônico. Aguardamos dos amigos leitores críticas, comentários e sugestões.
A todos, muito obrigado. Arnaldo Nogueira Júnior.
® @njo